sicnot

Perfil

Airbus cai nos Alpes

Airbus cai nos Alpes

Airbus cai nos Alpes

Identificação de vítimas pode ficar concluída esta semana

O presidente francês, François Hollande, afirmou hoje que é possível que esta semana fique concluída a identificação das vítimas do avião da Germanwings que se despenhou nos Alpes franceses.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

"O ministro do Interior (Bernard Cazeneuve) confirmou que até ao final da semana é possível identificar todas as vítimas graças às amostras de ADN e a um trabalho científico excecional o que permitirá às famílias fazerem o seu luto", disse Hollande, numa conferência de imprensa conjunta com a chanceler alemã, Angela Merkel, após o 17.º conselho de ministros franco-alemão.

Hollande disse que a França e a Alemanha estão a trabalhar para melhorar e reforçar as regras sobre segurança aérea para que se evitem tragédias como a que ocorreu na semana passada com o avião da Germanwings.

A queda do avião da Germanwings, que efetuava a ligação de Barcelona (Espanha) a Dusseldorf (Alemanha), causou 150 mortos. 

O copiloto do aparelho, Andreas Lubitz, ficou fechado sozinho na cabine de comando, aproveitando uma breve ausência do comandante, e terá causado deliberadamente a queda do avião, de acordo com os investigadores, depois de analisadas as gravações recolhidas de uma das duas "caixas negras" a bordo.

A Germanwings é uma subsidiária da Lufthansa, companhia que anunciou hoje o cancelamento das comemorações do seu 60.º aniversário, previstas para dia 15.

Em comunicado, a Lufthansa indicou que em vez do evento planeado "vai providenciar a transmissão ao vivo para os seus empregados da cerimónia oficial na Catedral de Colónia a 17 de abril de 2015", na qual familiares e amigos irão recordar as vítimas.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".