sicnot

Perfil

Almeida Santos 1926-2016

Almeida Santos 1926-2016

Almeida Santos 1926-2016

Último ato político de Almeida Santos foi o apoio a Maria de Belém nas presidenciais

O presidente honorário do PS, Almeida Santos, que hoje morreu aos 89 anos, fez a sua última intervenção política num almoço de apoio à candidatura presidencial da socialista Maria de Belém, em Coimbra.

MIGUEL A. LOPES

Um dia antes de morrer, António de Almeida Santos afirmou que se Maria de Belém Roseira sair derrotada das eleições presidenciais de 24 de janeiro, da próxima vez "ganha ela".

"Não será a última vez que me ouvireis, a próxima vez que a Maria de Belém se candidatar eu cá estarei com ela, porque nessa altura já vai ser muito difícil derrotá-la, muito difícil. Lembrem-se disso do que eu vos digo hoje: se não ganhar desta vez, não sei se ganha se não, da próxima ganha ela", afirmou Almeida Santos, num almoço na Figueira Foz, no distrito de Coimbra.

O ex-ministro de Mário Soares e antigo presidente da Assembleia da República disse que sua presença no almoço da candidatura, este domingo, foi "uma homenagem muito sincera" a Maria de Belém, de quem é "muito amigo".

Lembrando que até agora só uma vez uma mulher se tinha candidatado à Presidência da República - Maria de Lurdes Pintassilgo, em 1986 - Almeida Santos disse ter uma "identificação completa" com a candidatura da antiga ministra com as pastas da Saúde e da Igualdade nos Governos de António Guterres.

António Almeida Santos, que completaria 90 anos a 15 de fevereiro, faleceu na segunda-feira em sua casa, em Oeiras, pouco antes das 00:00, disse a mesma fonte.

O presidente honorário do Partido Socialista, que foi submetido por duas vezes a cirurgias cardiovasculares, sentiu-se mal após o jantar e foi ainda assistido ainda na sua residência.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20