sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Reunião extraordinária da Liga Árabe sobre crise entre Arábia Saudita e Irão

A Liga Árabe vai reunir-se de emergência no domingo, a pedido da Arábia Saudita, para discutir os ataques a representações diplomáticas sauditas no Irão, lançados em protesto pela execução por Riade de um influente dirigente religioso xiita.

A crise entre os dois países já levou a Arábia Saudita e vários aliados a cortarem relações diplomáticas com o Irão. Em causa está a execução do clérigo e ativista xeque Nimr al-Nimr (imagem no cartaz), condenado à morte por "terrorismo" e executado no sábado juntamente com outras 46 pessoas.

A crise entre os dois países já levou a Arábia Saudita e vários aliados a cortarem relações diplomáticas com o Irão. Em causa está a execução do clérigo e ativista xeque Nimr al-Nimr (imagem no cartaz), condenado à morte por "terrorismo" e executado no sábado juntamente com outras 46 pessoas.

© Essam Al Sudani / Reuters (Arquivo)

Segundo Ahmed Ben Helli, secretário-adjunto da organização pan-árabe, a reunião "extraordinária" vai analisar a crise entre as duas potências regionais e "as ingerências iranianas nos assuntos internos árabes".

O responsável, que falava à imprensa no Cairo, disse que a reunião visa "condenar as violações cometidas pelo Irão contra a sacralidade da embaixada saudita em Teerão e do seu consulado em Mashhad".

A crise entre os dois países já levou a Arábia Saudita e vários aliados a cortarem relações diplomáticas com o Irão.

Em causa está a execução do clérigo e ativista xeque Nimr al-Nimr, crítico da atuação do regime saudita em relação à minoria xiita do reino, condenado à morte por "terrorismo" e executado no sábado juntamente com outras 46 pessoas, maioritariamente condenadas por atentados cometidos pela Al-Qaida.

A execução provocou uma guerra de palavras entre Teerão e Riade e manifestações violentas das comunidades xiitas, não apenas no Irão como também no Iraque, Líbano, Bahrein, Paquistão e Cachemira indiano.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.