sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Sunismo e xiismo, um cisma religioso com 14 séculos

No mundo muçulmano, do norte de África à Indonésia, o sunismo e o xiismo, com derivações, constituem as duas grandes correntes do Islão, a primeira seguida por mais de 80% dos cerca de 1,5 mil milhões de crentes.

© Nyimas Laula / Reuters

O cisma entre estas duas correntes religiosas tem origens remotas, na sequência da morte do profeta Maomé em 632 (século VII), na atual Arábia Saudita, um país que permanece a grande referência do sunismo na sua estrita variante wahabita.

A execução no sábado pelo regime da Arábia Saudita do líder religioso xiita saudita Nimr Baqer al-Nimr, que motivou um ataque à embaixada saudita na capital iraniana e o corte de relações diplomáticas entre Riade e Teerão, são as mais recentes erupções desse conflito histórico e um sinal que o confronto entre as duas grandes correntes do islão está longe de terminar.

Disputa pelo título de califa, o sucessor e representante de Maomé

Os xiitas consideram Ali, marido de Fátima, genro e primo do profeta, como o sucessor legítimo de Maomé e definem como ilegítimos os três califas sunitas que lhe sucederam na liderança da "comunidade dos fiéis".

A disputa pelo título de califa, literalmente o sucessor e representante do profeta Maomé, está assim na origem da fratura, que se prolonga há quase 14 séculos, para além de uma interpretação diversa dos textos do Alcorão, o Livro Sagrado.

O sunismo (de 'sunna', os preceitos baseados nos ensinamentos de Maomé), que prevaleceu maioritário nas suas diversas expressões, sugeria genericamente que qualquer fiel poderia ser o sucessor do profeta após o necessário consenso entre a comunidade islâmica.

O xiismo (o "partido de Ali"), defendia pelo contrário a sucessão "dinástica", uma linha sucessória, apesar de no islamismo clássico não existir o conceito de hierarquia.

O período de expansão do islão, em particular em direção a oriente, coincide com as lutas intestinas pelo poder político-religioso, que desembocam numa guerra civil quando o terceiro califa sunita (Otman Ibn Affan, do clã dos omíadas) é assassinado em 656 por um rival, também sunita.

A corrente xiita considerou este atentado como a oportunidade para impor Hussein, filho mais novo de Ali e Fátima e neto de Maomé, na liderança do califado.

Hussein dirigiu uma rebelião para impedir que o califa sunita Yazid assumisse o trono. A rebelião foi destroçada na batalha de Kerbala (no atual Iraque) e o líder xiita degolado. Ainda hoje, a 'Ashura', que celebra o assassinato de Hussein, constitui uma das mais pujantes e penitentes manifestações religiosas do xiismo.

Quatro países com maioria xiita

Atualmente existem apenas quatro países com maioria de população xiita: o Irão, principal referência sobretudo após a revolução islâmica de 1979 (93,6%), o Iraque (66,92%), o Bahrein (74,29%) e o Azerbaijão (85%).

O xiismo está ainda presente de forma significativa no Iémen (45%) - um país onde a Arábia Saudita se envolveu na guerra civil e tem combatido os 'huthis' xiitas -, no Líbano (43,59%), com destaque para o poderoso movimento radical Hezbollah, envolvido na guerra da Síria ao lado das forças do Presidente Bashar Al-Assad (da minoria alauita, uma derivação do xiismo), no Kuwait (30%), ou na Turquia (21%), através da minoria alevita, outro ramo desta corrente religiosa.

Nos turbulentos Afeganistão e Paquistão, o xiismo é seguido respetivamente por 19,3% e 24% dos crentes. Na Arábia Saudita, constituem cerca de 15% da população.

Jihadistas radicais reclamam-se do sunismo

Os grupos jihadistas mais radicais reivindicam-se do sunismo, incluindo a Al-Qaeda e o grupo extremista Daesh (autodenominado Estado Islâmico), além do Hamas, a formação palestiniana fundamentalista que domina a Faixa de Gaza.

Muitas destas correntes têm merecido o apoio político e financeiro da Arábia Saudita, a grande referência do sunismo no mundo árabe.

Hoje, o grande confronto entre sunismo e xiismo decorre em três países: Iraque, Síria e Iémen, com o envolvimento das duas grandes potências regionais, Arábia Saudita e Irão, que apoiam os dois campos em confronto, e num contexto de intervenções militares externas.

No Iraque, a maioria xiita, no poder e com a complacência iraniana, tenta opor-se à rebelião dos sunitas, em particular aos avanços do Daesh (sunita), com registos de represálias e graves abusos dos direitos humanos sobre as populações civis cometidos de parte a parte.

E para além do Iémen, a Síria também se tornou palco de um confronto feroz entre o Governo de Damasco, dominado pela minoria alauita (proveniente do xiismo) e a miríade de grupos rebeldes sunitas, mais ou menos fundamentalistas, e que também coloca em campos opostos Riade e Teerão, num país com maioria de população sunita.

E à semelhança do Iraque, a repressão das rebeliões fomentadas pela maioria sunita síria, afastada do poder, também serviu de pretexto para o início da revolta de março de 2011 e da guerra civil, que prevalece.

A crescente e determinante intervenção de diversas potências numa região que também sempre foi alvo da cobiça dos impérios europeus, que a retalharam entre si após a I Guerra Mundial, e ainda dos Estados Unidos é ainda outro fator determinante, em particular pelas divisões que continua a acentuar entre estas duas fações religiosas do islão.

Lusa

  • Da Al-Qaeda do Iraque ao Daesh

    Daesh

    Daesh é a mais recente denominação de um grupo radical islâmico (sunita) que pretende instituir um califado – um Estado dirigido por um único poder político e religioso regulamentado pela lei islâmica, a Sharia. Ainda limitado ao território conquistado à Síria e ao norte e oeste do Iraque, promete expandir-se e “quebrar as fronteiras” da Jordânia e do Líbano e “libertar” a Palestina. É liderado por Ibrahim Awad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai, conhecido como Abu Bakr al-Baghdadi, desde 2010, altura em que se chamava Al-Qaeda do Iraque e depois Estado Islâmico do Iraque. Em abril de 2013 o nome do grupo foi alterado para Daesh - Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL em português, ISIS em inglês), quando agrupou a Al-Qaeda do Iraque e um ramo dissidente do grupo sírio Frente al-Nusra, constituído para combater o Presidente sírio Bashar al-Assad. A designação Estado Islâmico é anunciada em Junho de 2014 com a instituição do autodenominado califado e al-Baghdadi é proclamado califa Ibrahim.

  • 64, 65 ou 73, afinal quantas são as vítimas de Pedrógão?
    1:27
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC