sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita acusada de usar bombas de fragmentação no Iémen

Uma organização não-governamental (ONG) norte-americana considerou um crime de guerra a utilização pela coligação internacional, liderada pela Arábia Saudita, que intervém no conflito no Iémen, de bombas de fragmentação, fabricadas pelos Estados Unidos, em zonas civis.

Fragmento de uma bomba CBU-58, encontrada em Sanaaa 6 de janeiro de 2016, fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

Fragmento de uma bomba CBU-58, encontrada em Sanaaa 6 de janeiro de 2016, fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

O relatório da Human Rights Watch (HRW), divulgado na quinta-feira, inclui uma fotografia de parte do invólucro de uma bomba de fragmentação "CBU-58", que mostrava ter sido fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

Os EUA são um aliado próximo da Arábia Saudita e fornecem munições e armas às forças sauditas, mas há muitos anos que não exportava bombas de fragmentação do tipo encontrado em Sanaa.

O relatório da ONG de defesa dos direitos humanos acrescentou que a bomba atingiu uma zona residencial na capital iemenita e deixou as marcas de múltiplas explosões nos edifícios.

"O uso repetido pela coligação árabe de bombas de fragmentação em zonas de uma cidade povoada sugere o propósito de atingir civis, o que é um crime de guerra", disse Steve Goose, diretor para armamento da HRW.

John Kirby, porta-voz do departamento de Estado, afirmou que Washington continua a "pedir a todas as partes no conflito, incluindo à coligação liderada pela Arábia Saudita, medidas ativas para minimizar danos infligidos a civis e investigações de todas as acusações credíveis de danos contra civis".

"Debatemos anteriormente com a coligação informações relativas ao alegado uso de munições de fragmentação, e sublinhámos que este tipo de munição não deve ser usado em zonas onde se encontram civis", acrescentou.

Grupos iemenitas, as Nações Unidas e outros observadores manifestaram preocupação perante o número crescente de vítimas no Iémen e a crise humanitária.

A situação no Iémen agravou-se quando, em março, a coligação começou uma campanha de ataques aéreos para obrigar os rebeldes xiitas 'huthis', que tinham tomado Sanaa, a recuar.

Milícias xiitas 'huthis', apoiadas pelo Irão, lançaram em setembro de 2014 uma ofensiva contra as forças leais ao presidente Abd Rabbo Mansur Hadi e, apesar de algumas perdas, continuam a controlar grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa.

A Arábia Saudita envolveu-se no conflito a partir de março, formando com outros oito regimes sunitas uma coligação internacional para apoiar as forças governamentais.

Pelo menos 2.795 civis foram mortos e 5.324 feridos no conflito que há nove meses se trava no Iémen entre milícias xiitas e forças governamentais apoiadas por uma coligação internacional, de acordo com dados da ONU.

Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.