sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita acusada de usar bombas de fragmentação no Iémen

Uma organização não-governamental (ONG) norte-americana considerou um crime de guerra a utilização pela coligação internacional, liderada pela Arábia Saudita, que intervém no conflito no Iémen, de bombas de fragmentação, fabricadas pelos Estados Unidos, em zonas civis.

Fragmento de uma bomba CBU-58, encontrada em Sanaaa 6 de janeiro de 2016, fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

Fragmento de uma bomba CBU-58, encontrada em Sanaaa 6 de janeiro de 2016, fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

O relatório da Human Rights Watch (HRW), divulgado na quinta-feira, inclui uma fotografia de parte do invólucro de uma bomba de fragmentação "CBU-58", que mostrava ter sido fabricada em 1978 no Tennessee (EUA).

Os EUA são um aliado próximo da Arábia Saudita e fornecem munições e armas às forças sauditas, mas há muitos anos que não exportava bombas de fragmentação do tipo encontrado em Sanaa.

O relatório da ONG de defesa dos direitos humanos acrescentou que a bomba atingiu uma zona residencial na capital iemenita e deixou as marcas de múltiplas explosões nos edifícios.

"O uso repetido pela coligação árabe de bombas de fragmentação em zonas de uma cidade povoada sugere o propósito de atingir civis, o que é um crime de guerra", disse Steve Goose, diretor para armamento da HRW.

John Kirby, porta-voz do departamento de Estado, afirmou que Washington continua a "pedir a todas as partes no conflito, incluindo à coligação liderada pela Arábia Saudita, medidas ativas para minimizar danos infligidos a civis e investigações de todas as acusações credíveis de danos contra civis".

"Debatemos anteriormente com a coligação informações relativas ao alegado uso de munições de fragmentação, e sublinhámos que este tipo de munição não deve ser usado em zonas onde se encontram civis", acrescentou.

Grupos iemenitas, as Nações Unidas e outros observadores manifestaram preocupação perante o número crescente de vítimas no Iémen e a crise humanitária.

A situação no Iémen agravou-se quando, em março, a coligação começou uma campanha de ataques aéreos para obrigar os rebeldes xiitas 'huthis', que tinham tomado Sanaa, a recuar.

Milícias xiitas 'huthis', apoiadas pelo Irão, lançaram em setembro de 2014 uma ofensiva contra as forças leais ao presidente Abd Rabbo Mansur Hadi e, apesar de algumas perdas, continuam a controlar grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa.

A Arábia Saudita envolveu-se no conflito a partir de março, formando com outros oito regimes sunitas uma coligação internacional para apoiar as forças governamentais.

Pelo menos 2.795 civis foram mortos e 5.324 feridos no conflito que há nove meses se trava no Iémen entre milícias xiitas e forças governamentais apoiadas por uma coligação internacional, de acordo com dados da ONU.

Lusa

  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.