sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Milhares de manifestantes no Irão condenam "atrocidades" sauditas

Milhares de manifestantes saíram hoje de novo à rua no Irão em protesto contra "as atrocidades e as medidas irracionais" da Arábia Saudita, também criticadas pelos clérigos de todo o país nas tradicionais orações de sexta-feira.

© Reuters Photographer / Reuter

As manifestações, de caráter pacífico e que decorreram sem incidentes, reafirmaram o repúdio iraniano das execuções de 47 pessoas no sábado passado na Arábia Saudita, entre as quais o líder religioso xiita Nimr Baqer al-Nimr, cuja morte desencadeou uma escalada de tensão entre Teerão e Riade e o corte de relações diplomáticas.

Após a condenação inapelável à execução de Al-Nimr, emitida esta semana pelas altas autoridades iranianas, encabeçadas pelo líder supremo, Ali Khamenei, hoje os líderes da oração mantiveram perante os fiéis, em todo o país, a mesma linha dura contra "a irracional campanha anti-iraniana do reacionário Governo saudita".

Segundo a agência oficial iraniana IRNA, os religiosos sustentaram que a execução de Al-Nimr é consequência das fracassadas manobras da Arábia Saudita para recuperar o seu estatuto perdido de potência regional.

Outros indicaram também que a rutura de relações com o Irão impulsionada por Riade e secundada por alguns países muçulmanos de maioria sunita é uma manobra com a qual os árabes querem esconder os seus erros.

"O destino dos criminosos dirigentes sauditas será mais miserável que o de ditadores como Saddam Hussein ou o derrotado xá do Irão, já que a ira das nações rapidamente as conduzirá ao cemitério da história", disse um dos líderes da oração na cidade de Gonabad.

Outras críticas apontaram que a execução pretende apenas "semear a discórdia" entre os muçulmanos e põe em evidência a proximidade entre os sauditas e "as políticas sionistas", além de assegurar "o colapso imediato" da monarquia saudita.

Em declarações pouco habituais, vários dos religiosos aplaudiram a população por protestar contra os atos sauditas, ao mesmo tempo que classificaram como "irracionais" os incêndios e assaltos às representações diplomáticas sauditas no Irão.

Estas críticas foram coerentes com as proferidas durante a semana pelo Presidente iraniano, Hassan Rohani, que condenou os ataques às sedes diplomáticas e pediu a detenção dos respetivos autores, embora entenda os motivos da sua ira.

O Governo da Arábia Saudita rompeu no passado domingo relações diplomáticas com o Irão, após o assalto, na noite anterior, à embaixada saudita em Teerão e ao seu consulado da cidade de Mashhad, que ocorreu como resposta à eleição do crítico xiita.

O Irão deteve 40 pessoas por estes incidentes e quis minimizar a sua importância, enquanto o Bahrein e o Sudão secundavam a Arábia Saudita retirando os seus diplomatas de território iraniano e outros países árabes chamaram para consultas ou reduziram o seu pessoal diplomático na capital iraniana.

Entretanto, o Irão proibiu a importação de bens sauditas e acusou Riade de bombardear a sua embaixada no Iémen, o que foi negado pelos árabes.

Além das tensões diplomáticas e religiosas, o Irão e a Arábia Saudita enfrentam-se em todos os palcos regionais e defendem partes opostas nos conflitos civis da Síria, do Iraque e do Iémen.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.