sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Milhares de manifestantes no Irão condenam "atrocidades" sauditas

Milhares de manifestantes saíram hoje de novo à rua no Irão em protesto contra "as atrocidades e as medidas irracionais" da Arábia Saudita, também criticadas pelos clérigos de todo o país nas tradicionais orações de sexta-feira.

© Reuters Photographer / Reuter

As manifestações, de caráter pacífico e que decorreram sem incidentes, reafirmaram o repúdio iraniano das execuções de 47 pessoas no sábado passado na Arábia Saudita, entre as quais o líder religioso xiita Nimr Baqer al-Nimr, cuja morte desencadeou uma escalada de tensão entre Teerão e Riade e o corte de relações diplomáticas.

Após a condenação inapelável à execução de Al-Nimr, emitida esta semana pelas altas autoridades iranianas, encabeçadas pelo líder supremo, Ali Khamenei, hoje os líderes da oração mantiveram perante os fiéis, em todo o país, a mesma linha dura contra "a irracional campanha anti-iraniana do reacionário Governo saudita".

Segundo a agência oficial iraniana IRNA, os religiosos sustentaram que a execução de Al-Nimr é consequência das fracassadas manobras da Arábia Saudita para recuperar o seu estatuto perdido de potência regional.

Outros indicaram também que a rutura de relações com o Irão impulsionada por Riade e secundada por alguns países muçulmanos de maioria sunita é uma manobra com a qual os árabes querem esconder os seus erros.

"O destino dos criminosos dirigentes sauditas será mais miserável que o de ditadores como Saddam Hussein ou o derrotado xá do Irão, já que a ira das nações rapidamente as conduzirá ao cemitério da história", disse um dos líderes da oração na cidade de Gonabad.

Outras críticas apontaram que a execução pretende apenas "semear a discórdia" entre os muçulmanos e põe em evidência a proximidade entre os sauditas e "as políticas sionistas", além de assegurar "o colapso imediato" da monarquia saudita.

Em declarações pouco habituais, vários dos religiosos aplaudiram a população por protestar contra os atos sauditas, ao mesmo tempo que classificaram como "irracionais" os incêndios e assaltos às representações diplomáticas sauditas no Irão.

Estas críticas foram coerentes com as proferidas durante a semana pelo Presidente iraniano, Hassan Rohani, que condenou os ataques às sedes diplomáticas e pediu a detenção dos respetivos autores, embora entenda os motivos da sua ira.

O Governo da Arábia Saudita rompeu no passado domingo relações diplomáticas com o Irão, após o assalto, na noite anterior, à embaixada saudita em Teerão e ao seu consulado da cidade de Mashhad, que ocorreu como resposta à eleição do crítico xiita.

O Irão deteve 40 pessoas por estes incidentes e quis minimizar a sua importância, enquanto o Bahrein e o Sudão secundavam a Arábia Saudita retirando os seus diplomatas de território iraniano e outros países árabes chamaram para consultas ou reduziram o seu pessoal diplomático na capital iraniana.

Entretanto, o Irão proibiu a importação de bens sauditas e acusou Riade de bombardear a sua embaixada no Iémen, o que foi negado pelos árabes.

Além das tensões diplomáticas e religiosas, o Irão e a Arábia Saudita enfrentam-se em todos os palcos regionais e defendem partes opostas nos conflitos civis da Síria, do Iraque e do Iémen.

Lusa

  • Presidente visita zonas afetadas pelos fogos
    2:00

    País

    Numa visita inesperada, o Presidente da República esteve esta manhã em Vouzela, um dos concelhos mais atingidos pelos incêndios. Marcelo Rebelo de Sousa vai estar nos próximos dias no distrito de Viseu.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.