sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Milhares de manifestantes no Irão condenam "atrocidades" sauditas

Milhares de manifestantes saíram hoje de novo à rua no Irão em protesto contra "as atrocidades e as medidas irracionais" da Arábia Saudita, também criticadas pelos clérigos de todo o país nas tradicionais orações de sexta-feira.

© Reuters Photographer / Reuter

As manifestações, de caráter pacífico e que decorreram sem incidentes, reafirmaram o repúdio iraniano das execuções de 47 pessoas no sábado passado na Arábia Saudita, entre as quais o líder religioso xiita Nimr Baqer al-Nimr, cuja morte desencadeou uma escalada de tensão entre Teerão e Riade e o corte de relações diplomáticas.

Após a condenação inapelável à execução de Al-Nimr, emitida esta semana pelas altas autoridades iranianas, encabeçadas pelo líder supremo, Ali Khamenei, hoje os líderes da oração mantiveram perante os fiéis, em todo o país, a mesma linha dura contra "a irracional campanha anti-iraniana do reacionário Governo saudita".

Segundo a agência oficial iraniana IRNA, os religiosos sustentaram que a execução de Al-Nimr é consequência das fracassadas manobras da Arábia Saudita para recuperar o seu estatuto perdido de potência regional.

Outros indicaram também que a rutura de relações com o Irão impulsionada por Riade e secundada por alguns países muçulmanos de maioria sunita é uma manobra com a qual os árabes querem esconder os seus erros.

"O destino dos criminosos dirigentes sauditas será mais miserável que o de ditadores como Saddam Hussein ou o derrotado xá do Irão, já que a ira das nações rapidamente as conduzirá ao cemitério da história", disse um dos líderes da oração na cidade de Gonabad.

Outras críticas apontaram que a execução pretende apenas "semear a discórdia" entre os muçulmanos e põe em evidência a proximidade entre os sauditas e "as políticas sionistas", além de assegurar "o colapso imediato" da monarquia saudita.

Em declarações pouco habituais, vários dos religiosos aplaudiram a população por protestar contra os atos sauditas, ao mesmo tempo que classificaram como "irracionais" os incêndios e assaltos às representações diplomáticas sauditas no Irão.

Estas críticas foram coerentes com as proferidas durante a semana pelo Presidente iraniano, Hassan Rohani, que condenou os ataques às sedes diplomáticas e pediu a detenção dos respetivos autores, embora entenda os motivos da sua ira.

O Governo da Arábia Saudita rompeu no passado domingo relações diplomáticas com o Irão, após o assalto, na noite anterior, à embaixada saudita em Teerão e ao seu consulado da cidade de Mashhad, que ocorreu como resposta à eleição do crítico xiita.

O Irão deteve 40 pessoas por estes incidentes e quis minimizar a sua importância, enquanto o Bahrein e o Sudão secundavam a Arábia Saudita retirando os seus diplomatas de território iraniano e outros países árabes chamaram para consultas ou reduziram o seu pessoal diplomático na capital iraniana.

Entretanto, o Irão proibiu a importação de bens sauditas e acusou Riade de bombardear a sua embaixada no Iémen, o que foi negado pelos árabes.

Além das tensões diplomáticas e religiosas, o Irão e a Arábia Saudita enfrentam-se em todos os palcos regionais e defendem partes opostas nos conflitos civis da Síria, do Iraque e do Iémen.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.