sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita condena aproximação dos EUA a Teerão

A Arábia Saudita condenou hoje energicamente, perante o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, a aproximação entre os EUA e o Irão, na sequência do acordo internacional sobre o programa nuclear de Teerão.

© POOL New / Reuters

O principal diplomata dos EUA está em Riade até domingo para tranquilizar os seus aliados nas monarquias sunitas do Golfo, que temem uma possível reconciliação entre o seu rival xiita e Washington.

John Kerry e os seus parceiros árabes também falaram sobre o processo diplomático para a Síria, outro cenário do antagonismo entre as potências mundiais e as potências regionais, incluindo a Arábia Saudita e o Irão.

"Eu não vejo os Estados Unidos e o Irão a caminhar juntos. O Irão continua a ser o líder mundial de apoio ao terrorismo", afirmou o ministro das Relações Exteriores sauditas, Adel al-Jubeir, numa breve conferência de imprensa conjunta com John Kerry.

Adel al-Jubeir realçou considerar "que os EUA estão bem cientes do perigo que representam as atividades maldosas do Irão".

O chefe da diplomacia saudita alertou ainda contra a "interferência" iraniana "nos assuntos dos países árabes", uma alusão a conflitos regionais -- na Síria, no Iraque e no Iémen -- onde Riade e Teerão se enfrentam diretamente.

Pelo seu lado, Kerry usou a habitual defesa de Washington desde o arrefecimento, em 2013, das suas ligações com os países do Golfo sobre os 'dossiers' do Irão e da Síria.

"Os Estados Unidos continuam preocupados com certas atividades do Irão", no primeiro lugar dos quais está o seu "apoio a grupos terroristas como o Hezbollah xiita libanês" e o seu programa de mísseis balísticos.

Kerry passou a manhã com os seus homólogos dos seis países membros do Conselho de Cooperação do Golfo e conversou à tarde com o rei Salman, com o príncipe herdeiro, com o ministro da Defesa, Mohammed bin Salman, e com Jubeir.

Os países sunitas árabes do Golfo e os EUA são aliados militares históricos, mas estão profundamente em desacordo sobre o regresso do Irão xiita às graças dos EUA, devido ao acordo nuclear selado em julho de 2015 e que permitiu, há uma semana, o levantamento das sanções internacionais, incapacitantes para a economia iraniana.

A animosidade entre Riade e Teerão degenerou em crise aberta no início de janeiro, com a rutura das relações diplomáticas, após o saque da embaixada saudita em Teerão, depois da execução, pela Arábia Saudita, de um clérigo xiita crítico ferrenho do poder saudita.

Com os seus aliados no Golfo, Kerry também discutiu as negociações de paz para a Síria, que devem começar brevemente em Genebra.

O secretário norte-americano tem prevista uma reunião em Riade com o coordenador geral da coligação da oposição síria, Riyad Hijab.

O Secretário de Estado não adiantou uma data, mas anunciou que o Grupo de Apoio Internacional para a Síria, composto por 17 países (como os Estados Unidos, a Rússia, a Arábia Saudita e o Irão) se encontraria "imediatamente após a conclusão do primeiro ciclo" de negociações "indiretas" em Genebra entre o regime sírio e a oposição.

De acordo com Moscovo, Kerry e seu colega russo, Sergei Lavrov, discutiram hoje ao telefone quais os grupos que representarão os opositores sírios na Suíça.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59