sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Cem detidos no Irão por suspeitas de ligação ao ataque à embaixada da Arábia Saudita

Cerca de cem pessoas foram detidas no Irão por ligação ao ataque contra a embaixada da Arábia Saudita, a 02 de janeiro, que provocou a rutura das relações diplomáticas entre os dois países, anunciou hoje um porta-voz iraniano.

Manifestações em frente à embaixada da Arábia Saudita no Irão

Manifestações em frente à embaixada da Arábia Saudita no Irão

© Reuters Photographer / Reuter

"Desde o ataque, cerca de 100 pessoas foram presas, mas algumas foram libertadas mais tarde", disse um porta-voz da Justiça iraniana, Gholamhossein Mohseni-Ejeie, de acordo com a agência de notícias oficial IRNA, salientando que as medidas "foram tomadas imediatamente".

As autoridades tinham, até agora, relatado quarenta detenções.

Um suspeito foi detido no "estrangeiro" e regressou ao Irão, disse, salientando que este homem, que não identificou, "deu ordens a alguns dos indivíduos que entraram na embaixada".

O guia supremo iraniano, o Ayatollah Ali Khamenei, condenou na quarta-feira o ataque, realizado em protesto contra a execução de um líder religioso xiita na Arábia Saudita, considerando que é "contra o país (Irão) e o Islão".

O presidnete Hassan Rohani também condenou os ataques, considerando-os de "totalmente injustificáveis", apelando ao julgamento rápido dos envolvidos.

O incêndio da embaixada fez com que Riade rompesse, a 03 de janeiro, as relações diplomáticas com o Irão e vários países vizinhos tomaram medidas contra Teerão.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.