sicnot

Perfil

Assalto em Tancos

Assalto em Tancos

Assalto em Tancos

Ministro aponta "quatro equívocos" no debate sobre roubo em Tancos

MANUEL DE ALMEIDA

O ministro da Defesa sustentou hoje existirem "quatro equívocos principais" que contaminaram o debate sobre o furto de Tancos, frisando em primeiro lugar que a segurança dos paióis é uma questão de gestão operacional.

"É tipicamente uma questão que cabe aos ramos. Dificilmente se encontra um domínio com uma natureza mais operacional", afirmou José Azeredo Lopes, numa intervenção perante a comissão de Defesa Nacional, onde está a ser ouvido sobre o furto de material de guerra em Tancos.

Em segundo lugar, Azeredo Lopes disse não ter recebido qualquer pedido, chamada de atenção ou relatório que "identificasse uma situação grave de insegurança".

"Não tinha qualquer conhecimento de uma situação que fosse urgente corrigir, direta ou indiretamente, à segurança daqueles paióis", frisou.

O "terceiro equívoco", prosseguiu, foi ter sido "acusado" de desvalorizar o caso. Azeredo Lopes recusou qualquer desvalorização, sublinhando que nas suas intervenções públicas "foram no sentido de, sem meias palavras, o qualificar como grave".

"Mesmo quando invoquei outros casos, deixei claro que não visava por qualquer forma diminuir a gravidade deste triste evento de 28 de junho", acrescentou.

O ministro da Defesa Nacional disse ter sido informado do furto no dia 28 de junho, quando estava a aterrar em Bruxelas, pelo chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, que o pôs ao corrente da "gravidade" do roubo.

"O quarto equívoco é o alegado grave impacto internacional na imagem de Portugal", apontou, revelando que teve uma "longa conversa telefónica" com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, sobre o assunto.

Segundo Azeredo Lopes, o secretário-geral da Organização "nunca sobrevalorizou os factos de Tancos e insistiu no crédito e na fiabilidade de Portugal como membro da NATO e velho aliado".

Lusa

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38