sicnot

Perfil

Assalto em Tancos

Assalto em Tancos

Assalto em Tancos

Associação de Oficiais sublinha que demissões são "absolutamente legítimas"

O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) coronel António Mota sublinhou hoje que "são absolutamente legítimas" as demissões dos tenentes-generais do Comandante do Pessoal e do Comandante das Forças Terrestres.

"As tomadas de posição dos tenentes-generais são absolutamente legítimas e legais, sendo decisões que apenas a eles respeitam", afirmou o presidente da AOFA, António Mota.

O Exército confirmou hoje o pedido de passagem à reserva do tenente-general Antunes Calçada, Comandante do Pessoal, anunciando que será substituído no cargo, em acumulação, pelo vice-chefe do Estado-Maior do Exército, tenente-general Rodrigues da Costa.

De acordo com a edição eletrónica do jornal Expresso, o general decidiu pedir a passagem à reserva por "divergências inultrapassáveis" com o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, que exonerou os comandantes das cinco unidades responsáveis por alocar efetivos à vigilância dos Paióis Nacionais de Tancos, de onde foi furtado material de guerra, detetado no dia 28.

As mesmas razões estarão na base da decisão do Comandante das Forças Terrestres, tenente-general Faria Menezes, de pedir a exoneração do cargo, segundo o Expresso, na próxima segunda-feira.

Contactado pela Lusa, Faria Menezes confirmou a intenção de solicitar a exoneração do cargo.

O general Rovisco Duarte decidiu exonerar os comandantes até estarem concluídas as investigações internas que determinou. Segundo admitiu numa reunião à porta-fechada com os deputados da comissão parlamentar de Defesa, quinta-feira, esta decisão não foi consensual na estrutura do Exército, disseram à Lusa fontes parlamentares.

Contudo, a decisão foi assumida como um ato de comando que melhor protegia os comandantes na fase das investigações.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44