sicnot

Perfil

Ataque em Berlim

Apesar do medo, mercados de Natal de Berlim reabrem após ataque

© Andrew Kelly / Reuters

As luzes coloridas, o cheiro do vinho quente e das amêndoas doces voltam a trazer o espírito do Natal a Berlim, com a reabertura dos mercados natalícios na capital alemã, dois dias após o ataque terrorista que matou 12 pessoas.

Apesar das músicas de Natal entoarem pelas ruas de Berlim, a investida de um camião que abalroou um mercado de Natal na noite de segunda-feira em Berlim, matando 12 pessoas e ferindo 48, é o tema de conversa entre os berlinenses.

"Claro que agora penso duas vezes antes de ir a um mercado" disse Annika à agência Lusa em Berlim, acrescentando que apesar do medo está presente.

A alemã, que partilha castanhas quentes com os colegas no famoso mercado Gendarmenmarkt, disse ter ficado "chocada" com o atentado na Breitscheidplatz e espera que a Alemanha "consiga seguir em frente".

A polícia reforçou as medidas de segurança pelos mercados de Natal da cidade, com instalação de barreiras protetoras e presença de guarda armada.

Hajnal Szolga, vendedora no mercado de Potsdamer Platz, disse sentir menos movimento no local mas acha que é uma questão de tempo até "tudo voltar ao normal".

"Eu pessoalmente sinto alguma tristeza e medo e penso nos meus colegas vendedores que testemunharam o ataque", referiu, acrescentando que "as pessoas não vão ficar em casa".

Os turistas vão passeando despreocupados pelos mercados que são um símbolo do Natal alemão.

Shirley, da Palestina, considera os mercados "imperdíveis e amorosos" e garantiu não ter receio de visitá-los, confidenciando que a família "ficou com medo".

A francesa Johanna está de visita a uma amiga na capital alemã e não esconde que as parecenças com os atentados em França são inegáveis.

"Tenho um sentimento de "déjà-vu". Faz lembrar o ataque de Paris, estamos solidários. Mas temos de perceber que não é o fim. Os terroristas querem que tenhamos medo, que fiquemos em casa mas não podemos, estamos aqui. E é Natal", disse à agência Lusa em Berlim.

Johanna ficou satisfeita por ver "que as pessoas continuam as suas vidas, não querem ficar em casa", deixando uma mensagem aos alemães: "coragem".

Durante a época do Natal, a capital alemã tem mais de 50 mercados espalhados por toda a cidade.

Na segunda-feira à noite, um camião abalroou uma multidão que se encontrava no mercado de Natal de Breitscheidplatz, na zona de Charlottenburg, na capital alemã, matando 12 pessoas e ferindo 48.

A organização extremista Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado.

As autoridades alemãs estão em alerta máximo, uma vez que o suspeito se encontra possivelmente armado.

Lusa

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • "Vai custar muito a voltarmos à realidade"
    2:22
  • Ministro alemão elogia Centeno que está otimista com o futuro da Zona Euro
    1:13

    Economia

    Mário Centeno diz que a Zona Euro tem um futuro positivo pela frente e acredita que o grupo dos países do euro está alinhado num projeto comum. Declarações do novo presidente do Eurogrupo no final de um encontro com o ministro das Finanças alemão, em Berlim. Peter Altmaier deu Portugal como exemplo de sucesso e reconheceu que foi um erro dividir a Europa entre Norte e Sul durante os anos da crise.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • Quando o frio até as pestanas congela

    Mundo

    Os termómetros desceram até aos - 67º Celsius em Yakutia, 5.300 quilómetros a Este de Moscovo, na Rússia. Nesta região, os estudantes estão habituados a manter as rotinas, mesmo quando as valores chegam aos - 40º Celsius, mas esta terça-feira as autoridades encerraram escolas e aconselharam a população a ficar em casa, longe do frio que até as pestanas congela.

    SIC