sicnot

Perfil

Ataque em Berlim

Alegado autor do atentado em Berlim jurou lealdade ao Daesh

O alegado autor do atentado com um camião que fez 12 mortos em Berlim na passada segunda-feira manifestou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) num vídeo que a agência de propaganda da organização terrorista, Amaq, divulgou hoje.

A gravação mostra o tunisino Anis Amri, abatido hoje em Milão pela polícia italiana a jurar a sua lealdade ao líder do EI, Abu Bakr al-Badhdadi, relatou a agência France-Presse.

O homem, que aparece de pé vestido com um manto ao lado de um rio, dirige-se diretamente à câmara declarando a sua intenção de vingar as vítimas muçulmanas dos ataques aéreos e apela ao ataque dos "cruzados".

A data e o local da gravação, que dura cerca de três minutos, não são mencionados.

Horas antes, a Amaq divulgou um comunicado em que afirmou que o homem abatido em Milão pela polícia italiana era o autor do ataque de Berlim.

Quando foi abatido, Anis Amri "tinha muito poucos objetos pessoais consigo e nenhum documento, era um fantasma", declarou o chefe da polícia de Milão, Antonio de Iesu, citado pela AFP.

"Ele não tinha com ele nada mais do que a pistola [com que abriu fogo sobre a polícia na altura da tentativa de detenção], nem telefone, apenas um pequeno canivete e algumas centenas de euros", declarou Iesu numa conferência de imprensa.

"Tratava-se apenas de um controlo de rotina. Pode parecer paradoxal e é, mas não sabíamos que se tratava de um atirador", continuou o responsável, precisando que Anis Amri "era um magrebino como há muitos na região de Milão".

"Parece absurdo que um terrorista como este tenha sido encontrado por acaso, na sequência de um controlo banal, mas é a realidade", admitiu.

Ao seu lado, o adjunto de Iesu, Roberto Guida precisou que Anis "estava absolutamente tranquilo".

"Foi-lhe pedido que despejasse a mochila e, num gesto brusco, ele tirou uma pistola carregada, pronta a ser utilizada, com que abriu fogo", continuou.

Anis Amri, um tunisino de 24 anos, estava em fuga desde o atentado na passada segunda-feira à noite, que fez 12 mortos e 50 feridos num mercado de Natal em Berlim, e foi reivindicado pelo EI.

Chegado à Sicília em 2011, Anis Amri já havia sido condenado a uma pena de cinco anos de prisão, que cumpriu até 2015, por ter posto fogo a uma escola.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.