sicnot

Perfil

Ataque em Berlim

PM francês desvaloriza críticas acerca da circulação do autor do atentado de Berlim

Markus Schreiber / AP

O primeiro-ministro francês defendeu-se hoje das críticas acerca da facilidade com que o autor do atentado de Berlim viajou por vários países, afirmando que o seu país fez 81 milhões de controlos em 13 meses e meio.

Numa entrevista publicada hoje no "Jornal de Domingo", Bernard Cazeneuve disse ainda que fazer controlos sistemáticos "paralisaria a Europa".

O chefe do Governo francês frisou ainda que o restabelecimento dos controles nas fronteiras, que França decidiu depois dos atentados jihadistas de 13 de novembro de 2015, em Paris, "nunca foi o encerramento das fronteiras".

Além disso, ressalvou que "controlar cada pessoa que passa é completamente impossível".

"É uma verdade que tem de se dizer" porque se se for supervisionar cada veículo "isso paralisará a Europa, as suas infraestruturas de transporte, as suas atividades económicas", afirmou.

O primeiro-ministro francês não quis entrar naquilo que classificou de "polémicas estéreis" sobre o percurso de Anis Amri por vários países europeus -- incluindo França -- desde que cometeu o atentado com um camião num mercado de Natal em Berlim, a 19 de dezembro, até que foi abatido pela polícia italiana em Milão, argumentando que não se sabe em detalhe os meios de utilizou.

O governante avisou que a "questão do terrorismo vai permanecer durante muitos anos".

"Se cada vez que há um atentado houver um enfraquecimento político, vai acabar-se por fazer crer aos franceses que o Estado não está plenamente mobilizado para lutar contra a barbárie", disse.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.