sicnot

Perfil

Ataque em Manchester

Bombista suicida motivado pelo "desejo de vingança"

O autor do atentado de segunda-feira em Manchester em que morreram 22 pessoas queria vingança. É a tese defendida por uma irmã e por um amigo, embora as razões que avancem sejam diferentes.

Salman Abedi, britânico de 22 anos de origem líbia, era conhecido dos serviços de segurança britânicos. Tinha nascido em Manchester onde existe uma importante comunidade líbia.

O pai, Ramadan Abedi, pertencia o Grupo Islâmico Combatente Líbio (GICL), ativo dos anos 1990 e hostil ao regime de Muammar Kadhafi. Perseguido, Ramadan refugiou-se no Reino Unido, primeiro em Londres, depois em Manchester, onde a família se instalou num subúrbio modesto da terceira maior cidade britânica, Fallowfield. Os Abedi frequentavam a mesquita local de Didsbury.

Em 2014, Salman iniciou os estudos de comércio e gestão na universidade de Salford, mas abandonou o curso um ano mais tarde. "Ele era reservado", disse à AFP um porta-voz da comunidade líbia em Manchester, Mohamed Fadil. "As pessoas sabiam que ele tinha problemas de comportamento, não era respeitador nem educado, era introvertido e estranho. Dizia-se na comunidade que bebia álcool e fumava erva", garantiu.

Amigo esfaqueado em Manchester

Segundo disse à AFP um amigo da família na Líbia, que quis manter o anonimato, um amigo de Salman Abedi foi esfaqueado por dois jovens britânicos em maio de 2016 em Manchester. Desde então, o homem de 22 anos que se fez explodir à saída de um concerto pop, ficou "sedento de vingança", disse.

"Esse incidente suscitou a cólera dos jovens líbio em Manchester e Salman expressou claramente o seu desejo de vingança", contou. "

De acordo com os media britânicos, o amigo esfaqueado, Abdul Wahab Hafidah, tinha sido perseguido e depois esfaqueado por um grupo de jovens. O processo ainda decorre na justiça britânica.

Crianças muçulmanas a morrer

Outra razão para o atentado na Manchester Arena foi avançada por uma irmã de Salman, Jomana, ao Wall Street Journal. "Ele viu crianças - crianças muçulmanas - a morrer no mundo e quis vingá-las. Ele viu as bombas que a América lançou sobre as crianças na Síria e quis vingá-las.

Ramadan Abedi, pai de Salman Abedi, em entrevista à Reuters em Tripoli, Líbia, a 24 de maio de 2017.

Ramadan Abedi, pai de Salman Abedi, em entrevista à Reuters em Tripoli, Líbia, a 24 de maio de 2017.

Hani Amara / Reuters

Quatro dias antes do atentando, Salman estava na Líbia e, segundo o amigo, "o pai queria que ele ficasse na Líbia, mas Salman insistiu em regressar a Manchester".

Ramadan Abedi tinha regressado ao seu país em 2011 para combater ao lado dos rebeldes contra o ditador Kadhafi, que acabou por ser deposto. Salman terá estado ao lado do pai.

O seu irmão mais novo Hachem, detido terça-feira na Líbia e interrogado pelos serviços segurança líbios, afirmou que Salman "pertencia ao grupo Daesh" e que ele próprio estava ao corrente do "projeto" do irmão.

O pai Ramadan está também a ser interrogado pelos serviços de segurança líbios. Antes, em declarações por telefone para a agência Associated Press (AP) a partir de Tripoli tinha afirmado que o filho é inocente e confirmado que um outro filho tinha sido detido pela polícia britânica depois do ataque de segunda-feira.

"Nós não acreditamos em matar inocentes. Nós não somos assim", garantiu Ramadan .

Após a queda do regime de Kadhafi, Ramadan ocupou um lugar de responsabilidade na direção da polícia de Tripoli, disse à AFP Ahmed Ben Salem, porta-voz dos serviços segurança líbios.

"O inquérito está em curso. Ele continua a ser interrogado. Não posso dar mais pormenores", declarou.

O Grupo Islâmico Combatente Líbio (GICL) a que o pai Ramadan pertenceu foi oficialmente criado em 1995 para derrubar o regime de Kadhafi. Quando tal aconteceu, em 2011, os membros do grupo foram perseguidos. Desde então, o GICL mantém relações ambíguas com a Al-Qaeda.

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC