sicnot

Perfil

Ataque em Manchester

Bombista suicida pediu perdão a familiar antes de matar 22 pessoas

O bombista suicida que matou 22 pessoas na segunda-feira em Manchester, no Reino Unido, terá dito que foi movido pelo tratamento injusto que recebeu, afirmou uma parente. A mulher disse à agência AP, que Salman Abedi lhe telefonou a explicar o motivo e a pedir perdão pelo que ia fazer.

A familiar, que falou ao telefone com a AP a partir da Líbia, afirmou que um amigo muçulmano de Abedi foi assassinado no ano passado e que o terrorista lhe disse que os "infiéis" no Reino Unido não se importaram.

"A raiva foi a principal razão" para o atentado, que fez ainda 64 feridos à saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena.

Ao telefone com a sua parente, Salman Abedi terá pedido: "Perdoa-me".

As autoridades britânicas estão a investigar as ligações entre Abedi e outros militantes islâmicos em Manchester, no resto da Europa e no norte de África e Médio Oriente.

Um membro da comunidade líbia de Manchester afirmou que Abedi foi banido da mesquita depois de ter interrompido e insultado um imã que fazia um discurso contra o Daesh, que reivindicou o atentado.

Segundo um irmão mais novo do bombista, este terá consultado a Internet para aprender a fabricar um engenho explosivo e tentar conseguir "uma vitória para o Daesh".

Lusa