sicnot

Perfil

Ataque em Manchester

Mi5 vai investigar resposta aos alertas sobre Salman Abedi

A ministra britânica do Interior, Amber Rudd , considerou que a abertura do inquérito no Mi5 é um primeiro passo no apuramento da verdade.

Handout .

O serviço de inteligência britânico, Mi5 vai avançar com um inquérito à forma como a agência secreta geriu os alertas sobre Salman Abedi, o alegado bombista suicida de Manchester. O Mi5 já teria recebido avisos da população que davam conta de que o jovem poderia ser uma ameaça.

De acordo com a BBC, pelo menos três alertas sobre as posições extremistas de Abedi chegaram aos serviços de segurança britânicos antes do ataque de Manchester, que causou 22 mortos.

A ministra britânica do Interior, Amber Rudd , afirmou que o Mi5 terá de rever estes procedimentos. Em entrevista à Sky News, a ministra considerou que a abertura do inquérito é um primeiro passo no apuramento da verdade.

O Mail on Sunday avança que um dos avisos sobre o líbio Salman Abedi, de 22 anos, terá sido feito pelo FBI, no início deste ano.

Os diversos alertas não terão sido devidamente avaliados pelo Mi5, o que permitiu a radicalização de Abedi e que terá conduzido ao atentado de Manchester.

Abedi terá dito a uma familiar que foi movido pelo tratamento injusto que recebeu, afirmou uma parente. A mulher disse à agência AP, que o jovem lhe telefonou a explicar o motivo e a pedir perdão pelo que ia fazer.

A familiar, que falou ao telefone com a AP a partir da Líbia, afirmou que um amigo muçulmano de Abedi foi assassinado no ano passado e que o jovem lhe disse que os "infiéis" no Reino Unido não se importaram.

"A raiva foi a principal razão" para o atentado, que fez ainda 64 feridos à saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena.

A polícia britânica já deteve 14 pessoas no âmbito da investigação ao atentado. Entre os detidos encontram-se dois irmãos e o pai de Salman Abedi.

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Admirável mundo novo
    16:17