sicnot

Perfil

Ataque em Munique

Ataque em Munique

Ataque em Munique

Presidente alemão "horrorizado" com "ataque assassino"

O Presidente alemão, Joachim Gauck, mostrou-se "horrorizado" com o "ataque assassino" em Munique, que causou a morte de pelo menos nove pessoas.

"Eu estou ao lado das vítimas nos meus pensamentos e com todos os que estão de luto ou com receio em relação a entes queridos", afirmou Gauck em comunicado.

Na declaração, o chefe de estado manifestou também "solidariedade" para com os serviços de emergência que estão a tentar "proteger pessoas e salvar vidas".

O ministro do Interior, Thomas de Maiziere, que estava num voo para Nova Iorque irá voltar de imediato à Alemanha para acompanhar as operações de perseguição aos três suspeitos, anunciou entretanto o governo alemão.

A polícia de Munique colocou em "alerta terrorista elevado" a cidade alemã, na sequência do tiroteio num centro comercial que terá vitimado pelo menos oito pessoas, abatidas por três homens armados que se encontram em fuga.

A gare de Munique foi evacuada e os serviços de metro, autocarro e trens foram suspensos por ordem da polícia.

Com Lusa

  • Português estava a 500 metros do centro comercial de Munique
    3:39

    Mundo

    José Passinha é português e reside em Munique. No momento do tiroteio no centro comercial, o português estava num restaurante a cerca de 500 metros do local. José Passinha descreve o cenário que se vive em Munique e diz que um dos atiradores "não parece alemão".

  • Barack Obama transmite o seu apoio à Alemanha

    Mundo

    Barack Obama transmitiu apoio à Alemanha no seguimento do tiroteio que ocorreu em Munique, causando pelo menos seis mortos, enquanto fonte oficial dizia que as autoridades já estão a trabalhar para perceber se há cidadãos norte-americanos envolvidos.

  • Vídeo mostra suspeito de tiroteio em Munique a gritar que é alemão

    Mundo

    Um vídeo amador mostra um dos suspeitos do tiroteio em Munique que se escondeu num parque de estacionamento. O homem grita "sou alemão" e "seus malditos turcos". Tudo começou volta das 17:00, em Lisboa, com uma chamada de emergência que dava conta que um homem tinha começado a disparar no centro comercial Olympia, presumivelmente num restaurante de fast food. A polícia da cidade pediu aos habitantes para permanecerem em casa ao mesmo tempo que suspendia o serviço em vários meios de transporte. Na rede social twitter, a polícia admite que não sabe quem são os autores deste tiroteio, fala no plural, pedindo à população para ficar em casa e se estiver na rua para ter cuidado.

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC