sicnot

Perfil

Ataque em Munique

Ataque em Munique

Ataque em Munique

Cinco das nove vítimas mortais eram menores

© Michael Dalder / Reuters

Cinco da nove vítimas mortais do tiroteio no centro comercial de Munique eram menores de idade, segundo informações divulgadas hoje por fontes policiais da capital bávara, citadas pelos media locais.

O último balanço oficial da polícia depois do tiroteio, que aconteceu na sexta-feira, indica que 27 feridos seguem internados nos hospitais da região, três deles em estado grave.

O autor dos disparos, segundo informação publicada pelas forças de segurança de Munique, era um alemão-iraniano de 18 anos sem antecedentes criminais, que acabou por se suicidar após o ataque.

O cadáver do autor dos disparos foi descoberto a cerca de um quilómetro do local, pelas autoridades, que hoje em conferência de imprensa disseram que os motivos do ataque eram ainda desconhecidos.

O governo da Baviera encontra-se reunido em Munique, a capital do estado, e o conselho de segurança federal, presidido pela chanceler Angela Merkel vai reunir-se às 12:30, hora local (11:30 em Lisboa).

Lusa

  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Pescador resgatado de um lago gelado na Estónia
    1:08
  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.