sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

100 mortos na sala de espetáculos Bataclan

Em atualização

YOAN VALAT

O Bataclan, onde estiveram várias dezenas de reféns na sequência de uma série de atentados em Paris, é um dos grandes teatros parisienses, com uma capacidade para albergar cerca de 1.500 pessoas sentadas.

Situado a leste da capital francesa, perto do canal Saint-Martin e do local onde um polícia foi morto nos atentados contra o semanário satírico Charlie Hebdo em janeiro passado, a sala de espetáculos acolheu na sexta-feira um concerto da banda de rock Eagles Of Death Metal.

Desde seu renascimento na década de 1970, o teatro tornou-se um local popular das noites parisienses, onde já atuaram várias estrelas da música francesa e internacional como Lou Reed, Prince, Oasis, ou Stromae.

Construído em 1864 com o nome Grande Café Chinês -- Teatro Bataclan, a sala de espetáculos ressurgiu em 1952, como Ba-ta-clan, numa referência a uma opereta de Offenbach, e é hoje classificado como monumento histórico.

Vários ataques registados hoje à noite, em Paris, provocaram a morte a pelo menos 100 pessoas, segundo fontes policiais.

O Presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país.

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41