sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Eagles of Death Metal cancelam digressão que terminaria em Lisboa

A banda norte-americana Eagles of Death Metal, que tocou na sexta-feira à noite na sala de espetáculos de Paris atacada por terroristas, cancelou a digressão europeia que terminaria em dezembro em Lisboa, foi este sábado anunciado.

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol". (Arquivo)

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol". (Arquivo)

Barry Brecheisen / AP

Os elementos da banda sobreviveram todos ao ataque, sem qualquer ferimento. No entanto, de acordo com a revista norte-americana Rolling Stone, o responsável pela venda de 'merchandising' da banda foi um dos mortos do ataque armado à sala de espetáculos Bataclan.

A banda decidiu encurtar a digressão europeia que deveria terminar a 10 de dezembro no Armazém F, em Lisboa. "Eles vão regressar [aos Estados Unidos da América]", provavelmente na segunda-feira, disse à Agência France-Presse um dos responsáveis pela promotora Nous Productions.

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda e tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol".

Os Deftones, outra banda norte-americana também originária da Califórnia, cujos elementos estiveram na sexta-feira no Bataclan, também "irão regressar a casa".

A banda tinha concertos marcados na sala onde decorreu o ataque para hoje, domingo e segunda-feira. Os espetáculos foram cancelados.

Lusa

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.