sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Eagles of Death Metal cancelam digressão que terminaria em Lisboa

A banda norte-americana Eagles of Death Metal, que tocou na sexta-feira à noite na sala de espetáculos de Paris atacada por terroristas, cancelou a digressão europeia que terminaria em dezembro em Lisboa, foi este sábado anunciado.

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol". (Arquivo)

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol". (Arquivo)

Barry Brecheisen / AP

Os elementos da banda sobreviveram todos ao ataque, sem qualquer ferimento. No entanto, de acordo com a revista norte-americana Rolling Stone, o responsável pela venda de 'merchandising' da banda foi um dos mortos do ataque armado à sala de espetáculos Bataclan.

A banda decidiu encurtar a digressão europeia que deveria terminar a 10 de dezembro no Armazém F, em Lisboa. "Eles vão regressar [aos Estados Unidos da América]", provavelmente na segunda-feira, disse à Agência France-Presse um dos responsáveis pela promotora Nous Productions.

Originária de Palm Street, sul da Califórnia, a banda e tem dois elementos principais (Jesse Hughes, 43 anos, e Josh Homme, 42 anos), que são conhecidos pelo seu humor e pelo espírito "sexo, drogas e rock and rol".

Os Deftones, outra banda norte-americana também originária da Califórnia, cujos elementos estiveram na sexta-feira no Bataclan, também "irão regressar a casa".

A banda tinha concertos marcados na sala onde decorreu o ataque para hoje, domingo e segunda-feira. Os espetáculos foram cancelados.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC