sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Estado de emergência foi criado com a guerra da Argélia

O estado de emergência, decretado pelo Presidente francês após os atentados terroristas de sexta-feira em Paris, é um procedimento raríssimo instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

O estado de emergência é um procedimento raríssimo, instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

O estado de emergência é um procedimento raríssimo, instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

Paillardin / AP

Este instrumento foi reutilizado depois, aquando dos incidentes nos subúrbios da capital francesa, em 2005, que obrigaram à intervenção das forças militares.

O estado de urgência permite às autoridades "interditar a circulação de pessoas ou veículos" e instituir "zonas de proteção ou de segurança onde a permanência das pessoas está regulamentada".

É um instrumento que possibilita também às autoridades proibir a permanência numa determinada zona geográfica de "todas as pessoas que tentem obstaculizar, de qualquer forma, a ação dos poderes públicos", segundo a lei criada em 1955.

O Presidente francês, François Hollande, anunciou o "encerramento das fronteiras", tendo o Ministério dos Negócios Estrangeiros precisado em seguida que "os controlos serão efetuados nos pontos de passagem automóveis, ferroviários, marítimos e aeroportuários".

"Os aeroportos continuam a funcionar. As ligações aéreas e ferroviárias serão asseguradas", acrescentou o Quai d'Orsay, Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O estado de emergência permite também ao ministro do Interior confinar a residência a toda a pessoa "cuja atividade se revele perigoso para a segurança e ordem públicas".

As autoridades podem também ordenar o encerramento provisório "das salas de espetáculos, bares e locais de reunião de toda a natureza", além de proibirem "as reuniões que possam provocar ou alimentar a desordem".

Podem ainda "ordenar a entrega das armas aos seus proprietários".

O decreto que instaurou o estado de emergência abre a possibilidade de "inspeções ao domicílio de dia e de noite", bem como "medidas para assegurar o controlo da imprensa" e dos outros media.

Na sequência dos atentados em série em Paris, que fizeram pelo menos 120 mortos, as autoridades anunciaram também o fecho de todos os estabelecimentos escolares da região parisiense durante o dia de hoje e a anulação de todas as visitas escolares em França no fim de semana.

O estado de emergência é declarado por um decreto do Conselho de Ministros.

A sua prorrogação para lá de 12 dias só pode ser autorizada por uma lei, votada no parlamento. A lei que autoriza o prolongamento do estado de urgência fixa a sua duração definitiva.

Várias vezes adotado durante a guerra da Argélia, o estado de emergência só foi decretado duas vezes depois: em 1985, na Nova Caledónia, no âmbito de confrontos que assolaram o arquipélago, e em 2005, na sequência de conflitos nos subúrbios da capital francesa.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.