sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Estado de emergência foi criado com a guerra da Argélia

O estado de emergência, decretado pelo Presidente francês após os atentados terroristas de sexta-feira em Paris, é um procedimento raríssimo instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

O estado de emergência é um procedimento raríssimo, instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

O estado de emergência é um procedimento raríssimo, instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

Paillardin / AP

Este instrumento foi reutilizado depois, aquando dos incidentes nos subúrbios da capital francesa, em 2005, que obrigaram à intervenção das forças militares.

O estado de urgência permite às autoridades "interditar a circulação de pessoas ou veículos" e instituir "zonas de proteção ou de segurança onde a permanência das pessoas está regulamentada".

É um instrumento que possibilita também às autoridades proibir a permanência numa determinada zona geográfica de "todas as pessoas que tentem obstaculizar, de qualquer forma, a ação dos poderes públicos", segundo a lei criada em 1955.

O Presidente francês, François Hollande, anunciou o "encerramento das fronteiras", tendo o Ministério dos Negócios Estrangeiros precisado em seguida que "os controlos serão efetuados nos pontos de passagem automóveis, ferroviários, marítimos e aeroportuários".

"Os aeroportos continuam a funcionar. As ligações aéreas e ferroviárias serão asseguradas", acrescentou o Quai d'Orsay, Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O estado de emergência permite também ao ministro do Interior confinar a residência a toda a pessoa "cuja atividade se revele perigoso para a segurança e ordem públicas".

As autoridades podem também ordenar o encerramento provisório "das salas de espetáculos, bares e locais de reunião de toda a natureza", além de proibirem "as reuniões que possam provocar ou alimentar a desordem".

Podem ainda "ordenar a entrega das armas aos seus proprietários".

O decreto que instaurou o estado de emergência abre a possibilidade de "inspeções ao domicílio de dia e de noite", bem como "medidas para assegurar o controlo da imprensa" e dos outros media.

Na sequência dos atentados em série em Paris, que fizeram pelo menos 120 mortos, as autoridades anunciaram também o fecho de todos os estabelecimentos escolares da região parisiense durante o dia de hoje e a anulação de todas as visitas escolares em França no fim de semana.

O estado de emergência é declarado por um decreto do Conselho de Ministros.

A sua prorrogação para lá de 12 dias só pode ser autorizada por uma lei, votada no parlamento. A lei que autoriza o prolongamento do estado de urgência fixa a sua duração definitiva.

Várias vezes adotado durante a guerra da Argélia, o estado de emergência só foi decretado duas vezes depois: em 1985, na Nova Caledónia, no âmbito de confrontos que assolaram o arquipélago, e em 2005, na sequência de conflitos nos subúrbios da capital francesa.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20