sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Le Pen diz que "França e os franceses já não estão seguros"

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, afirmou este sábado que "França e os franceses já não estão seguros" e exigiu que o país recupere o controlo das suas fronteiras e encerre as mesquitas que propagam o radicalismo.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Pascal Rossignol / Reuters

"Diga o que disser a União Europeia, é indispensável que a França recupere o controlo das suas fronteiras nacionais definitivamente", disse Le Pen numa reunião do seu partido, a Frente Nacional, em Nanterre, arredores de Paris.

Para Le Pen, os ataques de sexta-feira, nos quais foram mortas 128 pessoas e 300 ficaram feridas, são de uma "crueldade inédita, que demonstra uma nova escalada da violência do terrorismo islamita".

"O fundamentalismo islamita deve ser destruído. A França deve proibir as organizações islamitas, encerrar as mesquitas radicais e expulsar os estrangeiros que pregam o ódio no nosso território, assim como os clandestinos", disse.

Marine Le Pen defendeu também que França tem de determinar quem são os seus aliados e quem são os seus inimigos, definindo estes como aqueles que mantêm "relações condescendentes com o islamismo radical" e adotam "uma atitude ambígua para com as organizações terroristas".

Seis atentados perpetrados quase em simultâneo na sexta-feira à noite em Paris fizeram pelo menos 128 mortos, um deles português, e 300 feridos.

O grupo extremista Estado Islâmico, que controla vastas áreas no Iraque e na Síria, reivindicou os ataques.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.