sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

MAI garante que Portugal "está atento à evolução dos acontecimentos"

O ministro português da Administração Interna (MAI) declarou este sábado à agência Lusa que Portugal está "atento à evolução das circunstâncias e dos acontecimentos" em Paris, mas que está "tudo calmo" e "tranquilo" no território nacional.

© Benoit Tessier / Reuters

Contactado pela Lusa já na madrugada de hoje, Calvão da Silva adiantou que, após o sucedido na França, já dialogou com o ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros (MNE) português, Rui Machete, e com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, aproveitando para transmitir uma mensagem de segurança no sentido de que está "tudo calmo e tranquilo em Portugal".

O ministro salientou que os portugueses "podem confiar nas forças preventivas, de segurança e de informação" e que Portugal "está atento à evolução das circunstâncias e dos acontecimentos" ocorridos em Paris.

Pelo menos 140 pessoas morreram na sexta-feira em vários ataques terroristas em Paris, cerca de cem destas numa sala de espetáculos onde decorria um concerto de uma banda norte-americana.

Calvão da Silva assegurou que existe o "máximo grau de atenção" ao fenómeno terrorista, escusando-se a adiantar se Portugal continua a ser um país onde é baixo o risco de ataques.

Lusa

  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.