sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

MAI garante que Portugal "está atento à evolução dos acontecimentos"

O ministro português da Administração Interna (MAI) declarou este sábado à agência Lusa que Portugal está "atento à evolução das circunstâncias e dos acontecimentos" em Paris, mas que está "tudo calmo" e "tranquilo" no território nacional.

© Benoit Tessier / Reuters

Contactado pela Lusa já na madrugada de hoje, Calvão da Silva adiantou que, após o sucedido na França, já dialogou com o ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros (MNE) português, Rui Machete, e com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, aproveitando para transmitir uma mensagem de segurança no sentido de que está "tudo calmo e tranquilo em Portugal".

O ministro salientou que os portugueses "podem confiar nas forças preventivas, de segurança e de informação" e que Portugal "está atento à evolução das circunstâncias e dos acontecimentos" ocorridos em Paris.

Pelo menos 140 pessoas morreram na sexta-feira em vários ataques terroristas em Paris, cerca de cem destas numa sala de espetáculos onde decorria um concerto de uma banda norte-americana.

Calvão da Silva assegurou que existe o "máximo grau de atenção" ao fenómeno terrorista, escusando-se a adiantar se Portugal continua a ser um país onde é baixo o risco de ataques.

Lusa

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Marcelo reúne-se na quarta-feira com Putin

    País

    O Presidente da República reúne-se na quarta-feira, em Moscovo, com o líder russo, Vladimir Putin, informou este domingo a Presidência. Marcelo Rebelo de Sousa estará na capital da Federação Russa para assistir ao jogo da seleção portuguesa na fase final do Mundial de Futebol com a equipa de Marrocos

  • Novo busto de Ronaldo foi pedido pelo Museu CR7
    2:07
  • Grécia e Macedónia assinam acordo histórico
    2:02

    Mundo

    A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo histórico para mudar o nome da antiga República Jugoslava para República da Macedónia do Norte. Em causa está um problema diplomático entre os dois países que dificultou os planos da Macedónia em aderir à União Europeia e às Nações Unidas.