sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Passos expressa condolências e repúdio de toda a forma de terrorismo

O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, expressou esta sexta-feira as condolências e solidariedade ao presidente francês François Hollande e o repúdio de Portugal "de toda a forma de terrorismo" face aos atentados desta noite.

Kamil Zihnioglu / AP

"Tendo tomado conhecimento dos atentados, esta noite, ocorridos em Paris, quero expressar, em meu nome pessoal, do meu Governo e do Povo português, a Vossa Excelência, às famílias enlutadas e a todo o Povo francês, as mais sentidas condolências e a mais sincera solidariedade face aos trágicos acontecimentos que assolaram a França", afirmou Pedro Passos Coelho, na mensagem enviada ao Presidente da República francês.

O primeiro-ministro português salienta que "Portugal repudia firme e veementemente toda a forma de terrorismo, que tem como único propósito colocar em causa a segurança e a estabilidade das nossas sociedades e dos nossos Povos".

"Poderá Vossa Excelência e o Povo francês contar com a solidariedade e com a colaboração do Estado português para fazer face a este flagelo que ameaça os nossos valores, as nossas convicções e as nossas sociedades, perfeitamente imbuídas dos valores da tolerância e da Paz, que estão na génese do nosso projeto europeu comum", acrescenta Passo Coelho.

"Queira, Senhor Presidente, neste momento de dor e de luto para a Nação francesa, aceitar os meus protestos da minha mais alta consideração e estima pessoal", conclui o primeiro-ministro português.

Vários ataques registados hoje à noite, em Paris, provocaram a morte a pelo menos 40 pessoas e pelo menos 50 pessoas ficaram feridos em estado grave, segundo fontes policiais.

O Presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26