sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Pelo menos 127 mortos e 180 feridos em Paris, segundo balanço oficial

Os atentados terroristas em Paris de sexta-feira à noite causaram pelo menos 127 mortos e cerca de 180 feridos, 80 dos quais em estado crítico, disseram hoje fontes policiais francesas.

© Philippe Wojazer / Reuters

Oito terroristas, todos com coletes de explosivos, atacaram seis locais, entre eles uma sala de espetáculos e o estádio nacional, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

Dos oito atancantes, sete dos quais suicidas, morreram, de acordo com as mesmas fontes.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país".

Estes foram os atentados mais sangrentos na Europa desde os ataques em Madrid, em 2004.

Os atentados ainda não foram reivindicados.

"Este terrível provação (...) sabemos de onde vem, quem são estes criminosos, que são estes terroristas", afirmou Hollande.

O ministério do Interior francês pediu, em comunicado, aos parisienses que se mantenham em casa, divulgando um número de informações ao público (0800406005).

"As pessoas que se encontrem em casa, em casa de amigos, ou em instalações de trabalho na região parisiense, devem evitar sair, salvo em caso de necessidade absoluta", de acordo com a página digital do ministério.

As autoridades criaram uma plataforma 'online' (www.securite.interieur.gouv.fr) para reunir testemunhos que possam ajudar nas investigações.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Porque abanam as bancadas
    9:37