sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Testemunhas relatam "apocalipse" na capital francesa

Sirenes a tocar por toda a cidade, ruas bloqueadas pela polícia, familiares das vítimas a chorar, foram cenas do 'apocalipse' hoje vivido em Paris na sequência dos ataques que causaram pelo menos 40 mortos, relata a France Presse.

© Christian Hartmann / Reuters

O perímetro foi bloqueado em torno do hospital Saint-Louis, no norte da capital. Um homem em lágrimas relata que a sua irmã foi morta. Ao lado, a sua mãe lamenta-se agarrada aos seus braços: "Eles não nos deixam passar".

"Ouvimos o barulho dos tiros, 30 segundos de rajadas, som interminável, pensámos que era fogo-de-artifício", conta Pierre Montfort, que vive próximo da rua Bichat, perto do local onde ocorreu um dos tiroteios.

Uma outra testemunha, Florence, relatou que chegou de motociclo minutos depois dos disparos. "Era surrealista, quase toda a gente estava deitada no chão. Uma menina era levada nos braços por um homem, jovem. Ela tinha o ar de estar morta".

As mesmas cenas de guerra foram vividas na rua Charonne, um pouco mais a este. Carros dos bombeiros enchiam a noite com sirenes ruidosas.

Um homem disse ter ouvido tiros durante "dois, três minutos", em "rajadas", dizendo: "Vi muitos corpos estendidos no chão, ensanguentados. Não sei se estavam mortos".

"Há sangue por todo o lado", confirmou uma outra testemunha, falando do cenário onde ocorreu um dos tiroteios.

No meio do barulho e das luzes da polícia e dos bombeiros, um dos quarteirões foi bloqueado, após a sala de espetáculos Le Bataclan, próxima da redação do Charlie Hebdo, ter sido alvo dos atentados, havendo reféns.

As pessoas estão penduradas ao telefone. "A minha mulher está no Bataclan, é uma catástrofe", disse um homem, que tentou passar pelo cordão de segurança.

"Isto é mais grave do que o Charlie Hebdo", gritou, por seu turno, um dos membros das forças de segurança.

No estádio de França, nos arredores de Paris, onde a seleção gaulesa de futebol defrontava a Alemanha, ouviram-se explosões, tendo as pessoas ficado confinadas ao interior do estádio, que foi sobrevoado por um helicóptero.

"As explosões foram ouvidas 25 minutos após o início do jogo, que continuou normalmente. Pensei que fosse uma piada", comentou Ludovic Klein, de 37 anos, que veio de Limoges com o seu filho de 10 anos.

A evacuação das pessoas processou-se sem incidentes de maior.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.