sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Testemunhas relatam "apocalipse" na capital francesa

Sirenes a tocar por toda a cidade, ruas bloqueadas pela polícia, familiares das vítimas a chorar, foram cenas do 'apocalipse' hoje vivido em Paris na sequência dos ataques que causaram pelo menos 40 mortos, relata a France Presse.

© Christian Hartmann / Reuters

O perímetro foi bloqueado em torno do hospital Saint-Louis, no norte da capital. Um homem em lágrimas relata que a sua irmã foi morta. Ao lado, a sua mãe lamenta-se agarrada aos seus braços: "Eles não nos deixam passar".

"Ouvimos o barulho dos tiros, 30 segundos de rajadas, som interminável, pensámos que era fogo-de-artifício", conta Pierre Montfort, que vive próximo da rua Bichat, perto do local onde ocorreu um dos tiroteios.

Uma outra testemunha, Florence, relatou que chegou de motociclo minutos depois dos disparos. "Era surrealista, quase toda a gente estava deitada no chão. Uma menina era levada nos braços por um homem, jovem. Ela tinha o ar de estar morta".

As mesmas cenas de guerra foram vividas na rua Charonne, um pouco mais a este. Carros dos bombeiros enchiam a noite com sirenes ruidosas.

Um homem disse ter ouvido tiros durante "dois, três minutos", em "rajadas", dizendo: "Vi muitos corpos estendidos no chão, ensanguentados. Não sei se estavam mortos".

"Há sangue por todo o lado", confirmou uma outra testemunha, falando do cenário onde ocorreu um dos tiroteios.

No meio do barulho e das luzes da polícia e dos bombeiros, um dos quarteirões foi bloqueado, após a sala de espetáculos Le Bataclan, próxima da redação do Charlie Hebdo, ter sido alvo dos atentados, havendo reféns.

As pessoas estão penduradas ao telefone. "A minha mulher está no Bataclan, é uma catástrofe", disse um homem, que tentou passar pelo cordão de segurança.

"Isto é mais grave do que o Charlie Hebdo", gritou, por seu turno, um dos membros das forças de segurança.

No estádio de França, nos arredores de Paris, onde a seleção gaulesa de futebol defrontava a Alemanha, ouviram-se explosões, tendo as pessoas ficado confinadas ao interior do estádio, que foi sobrevoado por um helicóptero.

"As explosões foram ouvidas 25 minutos após o início do jogo, que continuou normalmente. Pensei que fosse uma piada", comentou Ludovic Klein, de 37 anos, que veio de Limoges com o seu filho de 10 anos.

A evacuação das pessoas processou-se sem incidentes de maior.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.