sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

EUA mantém plano de acolher 10 mil refugiados sírios

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mantém o plano de acolher 10 mil refugiados sírios no país em 2016 apesar dos ataques terroristas perpetrados na sexta-feira em Paris, assegurou este domingo um assessor.

Vários candidatos da oposição republicana criticaram o Governo de Obama por permitir a chegada de refugiados que fogem da guerra na Síria.

Vários candidatos da oposição republicana criticaram o Governo de Obama por permitir a chegada de refugiados que fogem da guerra na Síria.

© Michaela Rehle / Reuters

"Mantemos o plano de aceitar os refugiados sírios", afirmou o assessor adjunto do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Ben Rhodes, em declarações à cadeia de televisão norte-americana Fox News.

Rhodes acrescentou que os Estados Unidos dispõem de "procedimentos de seleção muito rigorosos para esses refugiados"

"Há mulheres e crianças, órfãos desta guerra na Síria, e creio que temos de contribuir, junto dos nossos aliados, para dar-lhes refúgio", justificou.

Segundo os media, um dos suspeitos dos ataques em Paris - que causaram 129 mortos e 352 feridos - poderá ter chegado à capital depois de ter atravessa a Sérvia e a Croácia como refugiado.

Vários candidatos da oposição republicana criticaram o Governo de Obama por permitir a chegada de refugiados que fogem da guerra na Síria.

O magnata Donald Trump, que está na corrida para a candidatura presidencial republicana, também advertiu que expulsará os refugiados sírios do país, caso chegue à Casa Branca.

A 10 de setembro, o Presidente Obama ordenou ao seu Governo que inicie os preparativos para poder acolher pelo menos 10 mil refugiados sírios durante o novo ano fiscal, que começou a 1 de outubro e termina a 30 de setembro de 2016.

Esta decisão visa ajudar a atenuar a crise migratória de refugiados que a Europa enfrenta atualmente.

Lusa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.