sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

"Luto no Facebook" é saudável, dizem psicólogos

Cada vez mais, a página de Facebook de pessoas que morrem é transformada num memorial de homenagens e condolências e num local de contato com o falecido, uma prática interativa que os psicólogos consideram saudável, mas com alguns perigos.

© Eric Vidal / Reuters


Apesar de a sociedade ocidental negar a morte e tudo o que faz lembrar a sua existência, Victor Sebastião, psicólogo especializado na área do luto, lembra que o enlutado necessita de falar sobre a morte e sobre o seu processo de luto e defende que as redes e sociais propiciam um espaço de expressão direta dessas emoções em tempo real.

"As redes sociais, como o Facebook, estimulam a manifestação de sentimentos e isso pode ser muito positivo", afirma o psicólogo, reconhecendo que a aceitação da morte é um processo penoso, especialmente na cultura ocidental, mas que a falta de empatia e suporte social tendem a intensificar reações emocionais e contribuir para complicar o processo de luto.

A vice-presidente da Amara - Associação pela Dignidade na Vida e na Morte, Carol Gouveia e Melo, explica que o trabalho de luto é precisamente feito enquanto se revive o passado e se fala sobre a pessoa que morreu.

"Se não nos permitirmos lembrar sobre a pessoa, a dor fica lá e pode tornar-se noutra coisa, já não tão saudável", adverte, lembrando que o primeiro instinto do Homem, porque a morte o incomoda, é fugir da dor, evitar falar sobre assuntos dolorosos e direcionar o tema para assuntos positivos.

Um estudo, elaborado por enfermeiros brasileiros, que analisaram comentários postados no perfil de pessoas falecidas durante o primeiro mês de morte, conclui no mesmo sentido: Os sites de redes sociais podem facilitar o enfrentamento ao luto, por serem um espaço de expressão com liberdade de discurso e por oferecerem a oportunidade de interações que ajudam a refletir sobre a relação com o falecido e as emoções.

Os enfermeiros concluíram ainda que as redes sociais impulsionam mesmo a manifestação de sentimentos usualmente retraídos, "permitindo a interação social de temas considerados tabus e que dificilmente são tratados abertamente, como a morte e o luto", facilitando assim o processo de luto.

No meio virtual identificam-se, segundo o estudo, quatro categorias de comentários no mural do falecido: expressar reações emocionais e cognitivas à morte, manter-se conetado ao falecido, divulgar homenagens, eventos e agradecimentos e expressar condolências aos familiares.

Estas interações no perfil do falecido - direcionadas ao falecido, ao público, aos familiares - levam mesmo os enfermeiros a concluir que as redes sociais "podem transformar o luto de um espaço privado para um espaço público".

Mas algumas publicações nas redes sociais podem ser traumáticas para quem está saudavelmente a atravessar um processo de luto, ressalva o psicólogo Victor Sebastião: "Há publicações que podem trazer desvantagens, como ser notificado sobre o aniversário de alguém que já morreu, forçando o contato com a dor da perda numa altura em que não se está preparado, o que pode ser sentido como um desrespeito pelo ciclo de luto de cada um".

Lusa

  • Portugueses em Paris
    3:18

    Ataque ao Charlie Hebdo

    Entre os portugueses que residem em Paris, o sentimento é de muita angústia, mas também de determinação em seguir em frente. Os enviados da SIC à capital francesa estiveram com emigrantes e ainda com uma testemunha dos ataques. Trata-se de um morador do décimo bairro que da varanda viu e filmou o que estava a acontecer.

  • Secreta iraquiana alertou a França de possíveis ataques
    0:18

    Mundo

    O ministro iraquiano dos Negócios Estrangeiros disse ontem, em Viena, na Áustria, que os serviços secretos do Iraque tinham obtido informação segundo a qual França, os Estados Unidos e o Irão seriam alvos dos terroristas. O chefe da diplomacia iraquiana disse ainda que essa informação foi partilhada com os países visados.

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.