sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

"Luto no Facebook" é saudável, dizem psicólogos

Cada vez mais, a página de Facebook de pessoas que morrem é transformada num memorial de homenagens e condolências e num local de contato com o falecido, uma prática interativa que os psicólogos consideram saudável, mas com alguns perigos.

© Eric Vidal / Reuters


Apesar de a sociedade ocidental negar a morte e tudo o que faz lembrar a sua existência, Victor Sebastião, psicólogo especializado na área do luto, lembra que o enlutado necessita de falar sobre a morte e sobre o seu processo de luto e defende que as redes e sociais propiciam um espaço de expressão direta dessas emoções em tempo real.

"As redes sociais, como o Facebook, estimulam a manifestação de sentimentos e isso pode ser muito positivo", afirma o psicólogo, reconhecendo que a aceitação da morte é um processo penoso, especialmente na cultura ocidental, mas que a falta de empatia e suporte social tendem a intensificar reações emocionais e contribuir para complicar o processo de luto.

A vice-presidente da Amara - Associação pela Dignidade na Vida e na Morte, Carol Gouveia e Melo, explica que o trabalho de luto é precisamente feito enquanto se revive o passado e se fala sobre a pessoa que morreu.

"Se não nos permitirmos lembrar sobre a pessoa, a dor fica lá e pode tornar-se noutra coisa, já não tão saudável", adverte, lembrando que o primeiro instinto do Homem, porque a morte o incomoda, é fugir da dor, evitar falar sobre assuntos dolorosos e direcionar o tema para assuntos positivos.

Um estudo, elaborado por enfermeiros brasileiros, que analisaram comentários postados no perfil de pessoas falecidas durante o primeiro mês de morte, conclui no mesmo sentido: Os sites de redes sociais podem facilitar o enfrentamento ao luto, por serem um espaço de expressão com liberdade de discurso e por oferecerem a oportunidade de interações que ajudam a refletir sobre a relação com o falecido e as emoções.

Os enfermeiros concluíram ainda que as redes sociais impulsionam mesmo a manifestação de sentimentos usualmente retraídos, "permitindo a interação social de temas considerados tabus e que dificilmente são tratados abertamente, como a morte e o luto", facilitando assim o processo de luto.

No meio virtual identificam-se, segundo o estudo, quatro categorias de comentários no mural do falecido: expressar reações emocionais e cognitivas à morte, manter-se conetado ao falecido, divulgar homenagens, eventos e agradecimentos e expressar condolências aos familiares.

Estas interações no perfil do falecido - direcionadas ao falecido, ao público, aos familiares - levam mesmo os enfermeiros a concluir que as redes sociais "podem transformar o luto de um espaço privado para um espaço público".

Mas algumas publicações nas redes sociais podem ser traumáticas para quem está saudavelmente a atravessar um processo de luto, ressalva o psicólogo Victor Sebastião: "Há publicações que podem trazer desvantagens, como ser notificado sobre o aniversário de alguém que já morreu, forçando o contato com a dor da perda numa altura em que não se está preparado, o que pode ser sentido como um desrespeito pelo ciclo de luto de cada um".

Lusa

  • Portugueses em Paris
    3:18

    Ataque ao Charlie Hebdo

    Entre os portugueses que residem em Paris, o sentimento é de muita angústia, mas também de determinação em seguir em frente. Os enviados da SIC à capital francesa estiveram com emigrantes e ainda com uma testemunha dos ataques. Trata-se de um morador do décimo bairro que da varanda viu e filmou o que estava a acontecer.

  • Secreta iraquiana alertou a França de possíveis ataques
    0:18

    Mundo

    O ministro iraquiano dos Negócios Estrangeiros disse ontem, em Viena, na Áustria, que os serviços secretos do Iraque tinham obtido informação segundo a qual França, os Estados Unidos e o Irão seriam alvos dos terroristas. O chefe da diplomacia iraquiana disse ainda que essa informação foi partilhada com os países visados.

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15