sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

"Luto no Facebook" é saudável, dizem psicólogos

Cada vez mais, a página de Facebook de pessoas que morrem é transformada num memorial de homenagens e condolências e num local de contato com o falecido, uma prática interativa que os psicólogos consideram saudável, mas com alguns perigos.

© Eric Vidal / Reuters


Apesar de a sociedade ocidental negar a morte e tudo o que faz lembrar a sua existência, Victor Sebastião, psicólogo especializado na área do luto, lembra que o enlutado necessita de falar sobre a morte e sobre o seu processo de luto e defende que as redes e sociais propiciam um espaço de expressão direta dessas emoções em tempo real.

"As redes sociais, como o Facebook, estimulam a manifestação de sentimentos e isso pode ser muito positivo", afirma o psicólogo, reconhecendo que a aceitação da morte é um processo penoso, especialmente na cultura ocidental, mas que a falta de empatia e suporte social tendem a intensificar reações emocionais e contribuir para complicar o processo de luto.

A vice-presidente da Amara - Associação pela Dignidade na Vida e na Morte, Carol Gouveia e Melo, explica que o trabalho de luto é precisamente feito enquanto se revive o passado e se fala sobre a pessoa que morreu.

"Se não nos permitirmos lembrar sobre a pessoa, a dor fica lá e pode tornar-se noutra coisa, já não tão saudável", adverte, lembrando que o primeiro instinto do Homem, porque a morte o incomoda, é fugir da dor, evitar falar sobre assuntos dolorosos e direcionar o tema para assuntos positivos.

Um estudo, elaborado por enfermeiros brasileiros, que analisaram comentários postados no perfil de pessoas falecidas durante o primeiro mês de morte, conclui no mesmo sentido: Os sites de redes sociais podem facilitar o enfrentamento ao luto, por serem um espaço de expressão com liberdade de discurso e por oferecerem a oportunidade de interações que ajudam a refletir sobre a relação com o falecido e as emoções.

Os enfermeiros concluíram ainda que as redes sociais impulsionam mesmo a manifestação de sentimentos usualmente retraídos, "permitindo a interação social de temas considerados tabus e que dificilmente são tratados abertamente, como a morte e o luto", facilitando assim o processo de luto.

No meio virtual identificam-se, segundo o estudo, quatro categorias de comentários no mural do falecido: expressar reações emocionais e cognitivas à morte, manter-se conetado ao falecido, divulgar homenagens, eventos e agradecimentos e expressar condolências aos familiares.

Estas interações no perfil do falecido - direcionadas ao falecido, ao público, aos familiares - levam mesmo os enfermeiros a concluir que as redes sociais "podem transformar o luto de um espaço privado para um espaço público".

Mas algumas publicações nas redes sociais podem ser traumáticas para quem está saudavelmente a atravessar um processo de luto, ressalva o psicólogo Victor Sebastião: "Há publicações que podem trazer desvantagens, como ser notificado sobre o aniversário de alguém que já morreu, forçando o contato com a dor da perda numa altura em que não se está preparado, o que pode ser sentido como um desrespeito pelo ciclo de luto de cada um".

Lusa

  • Portugueses em Paris
    3:18

    Ataque ao Charlie Hebdo

    Entre os portugueses que residem em Paris, o sentimento é de muita angústia, mas também de determinação em seguir em frente. Os enviados da SIC à capital francesa estiveram com emigrantes e ainda com uma testemunha dos ataques. Trata-se de um morador do décimo bairro que da varanda viu e filmou o que estava a acontecer.

  • Secreta iraquiana alertou a França de possíveis ataques
    0:18

    Mundo

    O ministro iraquiano dos Negócios Estrangeiros disse ontem, em Viena, na Áustria, que os serviços secretos do Iraque tinham obtido informação segundo a qual França, os Estados Unidos e o Irão seriam alvos dos terroristas. O chefe da diplomacia iraquiana disse ainda que essa informação foi partilhada com os países visados.

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira