sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Alemanha-Holanda será um "símbolo de liberdade", diz Joachim Löw

O selecionador alemão de futebol, Joachim Löw, afirmou esta segunda-feira que o jogo particular de terça-feira frente à Holanda, em Hanover, será um "símbolo de liberdade" e uma declaração contra o terrorismo, dias depois dos atentados em Paris.

"Quando regressámos no sábado, tive a sensação que o não poderia nem deveria acontecer. Estávamos todos ainda em choque e até com medo. Mas, quando falámos de novo no domingo, foi claro que teria que acontecer. É uma declaração forte sobre liberdade e solidariedade", referiu o selecionador alemão. (Arquivo)

"Quando regressámos no sábado, tive a sensação que o não poderia nem deveria acontecer. Estávamos todos ainda em choque e até com medo. Mas, quando falámos de novo no domingo, foi claro que teria que acontecer. É uma declaração forte sobre liberdade e solidariedade", referiu o selecionador alemão. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

"Com este jogo, vamos enviar uma mensagem clara, um símbolo de liberdade e uma demonstração de compaixão com os nossos amigos franceses, não só em França, mas espalhados pelo mundo", afirmou Low.

Em conferência de imprensa, o treinador germânico preferiu deixar para segundo plano a importância desportiva do jogo, depois de na sexta-feira ter disputado o jogo com a França (2-0 para os gauleses), em Paris, no dia dos atentados.

"Quando regressámos no sábado, tive a sensação que o não poderia nem deveria acontecer. Estávamos todos ainda em choque e até com medo. Mas, quando falámos de novo no domingo, foi claro que teria que acontecer. É uma declaração forte sobre liberdade e solidariedade", referiu.

Devido aos acontecimentos na capital francesa, a federação germânica (DBF) ponderou cancelar o encontro, mas acabou por confirmar a sua realização, num evento em que vai estar presente a chanceler alemã, Angela Merkel, e todo o seu gabinete.

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou no sábado, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses.

De acordo com o último balanço feito pelos hospitais, das 415 pessoas que foram atendidas nos hospitais após os ataques, pelo menos 42 feridos continuavam no domingo à tarde em vigilância intensiva em unidades de reanimação.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha. Os jogadores das duas equipas acabaram mesmo por passar a noite no recinto.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país"

Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.