sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Espanhol desmente a própria morte através do Facebook

Quando o espanhol Alberto Pardo, de 33 anos, se ligou à Internet no domingo 15 de novembro leu a notícia da sua morte. No mural do seu Facebook tinha várias mensagens de condolências: "Serás sempre recordado, Alberto", "Descansa em paz".

Alberto Pardo

Alberto Pardo

Facebook / El País

Percebeu então que o seu nome constava da lista de mortos nos ataques terroristas de sexta-feira em Paris, leu no jornal El País. Mas Alberto Pardo esteve em Estrasburgo todo o fim-de-semana, um mal entendido levou as autoridades francesas a declarar a sua morte no ataque ao Bataclan.

Alberto escreveu então no Facebook a notícia a desmentir a própria morte: "Pois não sei... Eu estou a ver-me a mim mesmo por isso diria que estou vivo... Mas se continuam a escrever coisas tão bonitas sobre mim talvez tenha de morrer para não vos deixar ficar mal... Além disso, se foi o El País que disse tem que estar correto", brincou.

As autoridades francesas chegaram a comunicar por escrito ao consulado espanhol em Paris a morte de Alberto Pardo Touceda, natural de Pontevedra, mas a morar em França desde 2012. A polícia espanhola foi então a casa da mãe de Alberto comunicar o falecimento do filho.

Foi o dia mais mais triste e mais feliz da vida dos pais de Alberto pardo, escreve o El País. Depois de falar com o filho ao telefone, Pilar Touceda disse, aliviada: "estou a desfazer o enterro do meu filho".

  • O último adeus às vítimas da tragédia de Vila Nova da Rainha
    1:37

    País

    As cerimónias fúnebres das oito vítimas mortais do incêndio na Associação de Vila Nova da Rainha realizaram-se esta terça-feira. Três delas ocorreram em simultâneo na povoação do concelho de Tondela que, no passado sábado, viu a tragédia bater-lhe à porta.

  • Fóssil humano mais antigo encontrado em Portugal entregue ao Museu de Arqueologia
    3:42

    País

    O mais antigo fóssil humano até hoje encontrado em Portugal, o "Crânio da Aroeira", foi entregue no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa. Em 2014, o fóssil foi encontrado pela equipa do arqueólogo João Zilhão perto de Torres Novas e foi restaurado e estudado na Universidade Complutense de Madrid, durante dois anos e meio.

  • De "lambe rabos" a "labrego", a polémica entre Rodolfo Reis e Bruno de Carvalho
    1:30
  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14
  • Ambientalistas consideram insuficiente estratégia de Bruxelas para reduzir plástico
    2:07