sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Mais um suspeito detido na Bélgica, dois já detidos acusados de terrorismo

A polícia belga anunciou a detenção de um oitavo suspeito dos ataques de Paris na cidade belga de Molenbeek. Entretanto, dois dos sete detidos na Bélgica no sábado por suspeitas de ligação aos ataques de sexta-feira foram hoje formalmente acusados de terrorismo.

Reuters

Os dois suspeitos "estão detidos sob acusação de terrorismo e participação em atividades de um grupo terrorista", indica a Justiça belga em comunicado, citada pela AFP.

De acordo com os meios de comunicação social belgas, os detidos são o proprietários e o condutor de um veículos apreendido no sábado em Calais (norte de França) na autoestrada entre Paris e Bruxelas. Os suspeitos foram horas mais tarde intercetados e detidos em Molenbeek.

Outros cinco dos sete detidos no sábado foram libertados.

As autoridades belgas ainda não encontraram Salah Abdeslam, um dos principais suspeitos dos atentados e que tem já um mandado de captura internacional.

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".