sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Polícia fortemente armada protege Wembley

O treino de hoje da seleção francesa de futebol decorreu sob fortes medidas de segurança dentro e fora do Estádio de Wembley, em Londres, onde, na terça-feira, se defrontarão as duas seleções em jogo particular.

© Paul Hackett / Reuters

A presença policial britânica fortemente armada faz parte do reforço das medidas de segurança com vista à realização do jogo, que deverá contar com a presença do príncipe William, filho do herdeiro do trono do Reino Unido, na sequência dos atentados terroristas de sexta-feira, em Paris.

Os agentes policiais ingleses, ao contrário de forças similares noutros países da Europa, não usam armas no seu equipamento diário e é raro estarem armados como hoje, nomeadamente com pistolas-metralhadoras, coletes antibala e outras armas, como hoje foram vistos nas cercanias do estádio londrino, nas bancadas, na zona de acesso aos balneários e junto ao relvado.

Ao início da tarde, o comando metropolitano da polícia de Londres confirmou, pela voz do comissário Peter Terry, que os responsáveis pela segurança iriam estar armados, em volta de Wembley: "Queremos que toda a gente que vá ao jogo saiba que haverá polícia em número suficiente para garantir a sua segurança."

"Os nossos planos são puramente preventivos e não em resultado de qualquer informação específica", acrescentou, excluindo a ideia de que poderiam ser expetáveis quaisquer ataques terroristas.

Segundo a Associação da Imprensa Britânica, fonte real afirmou que William pretende ir ao jogo de forma a "mostrar a sua solidariedade para com o povo francês", tal como já antes o afirmara, também hoje, o presidente do município da capital inglesa, Boris Johnson.

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou no sábado, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses.

De acordo com o último balanço feito pelos hospitais, das 415 pessoas que foram atendidas nos hospitais após os ataques, pelos menos 42 feridos continuavam no domingo à tarde em vigilância intensiva em unidades de reanimação.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país".

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.