sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Raides franceses destruíram campo de treinos jihadista na Síria

Uma série de raides aéreos por aviões franceses destruíram domingo um campo de treinos e um depósito de armas em Raqqa, reduto do autoproclamado Estado Islâmico na Síria, revelou o Observatório Sírio dos Direitos do Homem.

ECPAD/HANDOUT

De acordo com o responsável do Observatório, Abdel Rahmane, o líder de um grupo islâmico que tinha prometido fidelidade ao Estado Islâmico foi morto domingo, num ataque suicida levado a cabo pelos rivais jihadistas da Frente Al-Nosra, aliada à Al-Qaeda.

"Houve pelo menos 36 explosões durante a noite em Raqqa, certamente causadas pelos ataques aéreos e outras por explosivos", indicou hoje à agência de notícias France Presse Rami Abdel Rahmane, diretor do Observatório, que dispõe de um vasto leque de fontes na Síria.

Segundo Abdel Rahmane, as explosões foram ouvidas em toda a cidade, sublinhando que os raides ocorreram tanto a norte, como a sul de Raqa.

Entre os alvos, o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH) citou que foi atingido a "Brigada 17", um campo de treino e depósito de armas, embora não tenha sido capaz de fornecer uma avaliação imediata do que ficou destruído.

"Abu Ali al-Baridi, chefe da Brigada dos Mártires de al-Yarmouk, apelidado de al-Khal (tio) foi morto num ataque suicida pela Frente al-Nosra", disse ainda Rami Abdel Rahman.

Al-Baridi e dois outros comandantes de seu grupo foram mortos no ataque, que teve lugar em Jamlah na província de Deraa (sul), não muito longe da fronteira com a Jordânia.

O Ministério da Defesa francês anunciou que dez caça-bombardeiros franceses lançaram 20 bombas durante a noite de domingo na Síria, destruindo um posto de comando do autoproclamado Estado Islâmico e um campo de treinos.

O Presidente francês, François Hollande, alertou no sábado que o seu país seria "implacável" em todas as frentes, dentro e fora, após os ataques que ele descreveu como um "ato de guerra".

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou no sábado, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses, e mais de 400 feridos.

De acordo com o último balanço feito pelos hospitais, das 415 pessoas que foram atendidas nos hospitais após os ataques, pelo menos 42 feridos continuavam no domingo à tarde em vigilância intensiva em unidades de reanimação.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos (bataclan) e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha, com a presença do chefe de Estado francês.

Com Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos e-mails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos e-mails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse desconhecer a ação.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.