sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Cantor norte-americano Bob Dylan pede segurança armada para concertos em Itália

O cantor norte-americano Bob Dylan pediu seguranças armados no interior do auditório Manzoni de Bolonha, no centro de Itália, onde vai atuar hoje e na quarta-feira, noticiou hoje o diário Corriere della Sera.

© Mario Anzuoni / Reuters

Na entrada do auditório vão estar vários agentes da polícia, no interior estarão 12 seguranças armados, parte dos quais ficará, à paisana, entre o público, de acordo com a organização do espetáculo.

O diretor artístico da sala, Giorgio Zagnoni, confirmou ao jornal o pedido do compositor e explicou ter sido contratada uma agência de segurança para vigiar as entradas, o palco e o camarim de Dylan, de 74 anos.

"É a primeira vez que um artista nos pede para reforçar desta maneira a segurança. Mas, dada a situação e depois do que aconteceu em Paris, o pedido de Dylan é mais que compreensível", afirmou.

As medidas de segurança vão ser reforçadas, mas "vão continuar a ser dois concertos normais (...) se não existissem condições, seriam cancelados", garantiu.

Zagnoni acrescentou que não há detetores de metais, mas os responsáveis da segurança poderão, caso considerem necessário, identificar os espetadores à entrada.

Na sexta-feira, 89 pessoas foram mortas na sala de espetáculos Bataclan, em Paris, por combatentes do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.