sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Cantor norte-americano Bob Dylan pede segurança armada para concertos em Itália

O cantor norte-americano Bob Dylan pediu seguranças armados no interior do auditório Manzoni de Bolonha, no centro de Itália, onde vai atuar hoje e na quarta-feira, noticiou hoje o diário Corriere della Sera.

© Mario Anzuoni / Reuters

Na entrada do auditório vão estar vários agentes da polícia, no interior estarão 12 seguranças armados, parte dos quais ficará, à paisana, entre o público, de acordo com a organização do espetáculo.

O diretor artístico da sala, Giorgio Zagnoni, confirmou ao jornal o pedido do compositor e explicou ter sido contratada uma agência de segurança para vigiar as entradas, o palco e o camarim de Dylan, de 74 anos.

"É a primeira vez que um artista nos pede para reforçar desta maneira a segurança. Mas, dada a situação e depois do que aconteceu em Paris, o pedido de Dylan é mais que compreensível", afirmou.

As medidas de segurança vão ser reforçadas, mas "vão continuar a ser dois concertos normais (...) se não existissem condições, seriam cancelados", garantiu.

Zagnoni acrescentou que não há detetores de metais, mas os responsáveis da segurança poderão, caso considerem necessário, identificar os espetadores à entrada.

Na sexta-feira, 89 pessoas foram mortas na sala de espetáculos Bataclan, em Paris, por combatentes do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas infetadas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32