sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Novo ataque aéreo francês na Síria

A aviação francesa voltou a bombardar, esta noite, o principal reduto do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no norte da Síria, destruindo um centro de comando e um centro de treino, anunciou o Estado-maior das forças armadas de França.

© Charles Platiau / Reuters

"As forças armadas francesas levaram a cabo, pela segunda vez no espaço de 24 horas, um raide aéreo contra o Daesh [acrónimo do Estado Islâmico em árabe] em Raqqa, na Síria", informou o Estado-maior, em comunicado.

A aviação francesa tinha já na madrugada de segunda-feira realizado bombardeamentos contra a cidade de Raqqa, em resposta a vários atentados terroristas em Paris na noite de sexta-feira, e nos quais morreram pelo menos 129 pessoas e mais de 400 ficaram feridas.

O ataque, efetuado às 00:30 em Lisboa (01:30 em França), foi realizado por "dez aviões caça - Rafale e Mirage 2000 - a partir dos Emirados Árabes Unidos e da Jordânia", os quais lançaram 16 bombas, numa missão semelhante à realizada na madrugada de segunda-feira.

"Os dois alvos foram atacados e destruídos em simultâneo", refere o comunicado.

"Conduzido em coordenação com as forças norte-americanas, o raide visou locais identificados durante missões de reconhecimento previamente realizadas pela França", segundo o mesmo texto.

O Presidente francês François Hollande anunciou que a resposta de França seria "implacável" após os atentados de sexta-feira, os mais sangrentos cometidos em território francês.

Os atentados de Paris foram reivindicados pelo grupo extremista que se autodesigna Estado Islâmico.

Desde os atentados de sexta-feira, Estados Unidos e França decidiram aumentar as suas trocas de reconhecimento sobre potenciais alvos.

A França vai intensificar as suas operações contra o Estado Islâmico na Síria graças às informações obtidas e à deslocação do porta-aviões Charles-de-Gaulle, que vai triplicar a sua capacidade de realizar ataques.

Com Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.