sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Polícia francesa fez mais 128 rusgas durante a noite

A polícia francesa realizou 128 rusgas esta madrugada, no âmbito do estado de emergência decretado após os atentados de sexta-feira passada em Paris, anunciou o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Entretanto, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, voltou a alertar a possibilidade de novos ataques.

© Benoit Tessier / Reuters

Em entrevista à rádio France Info, o primeiro-ministro disse hoje que as autoridades estão ainda a tentar descobrir como os terroristas agiram na sexta-feira e qual a logística real dos ataques. "Estamos focados na investigação, ainda não sabemos quantas pessoas estiveram envolvidas e o que aconteceu exatamente no Stade de France [onde três bombistas suicidas se fizeram explodir nas imediações]", disse Manuel Valls.

"Temos que viver com esta ameaça por muito tempo, enfrentamos terroristas determinados a morrer. Temos que perceber que podemos ser atacados novamente", acrescentou Valls.

Também em entrevista France Info, o ministro do Interior Bernard Cazeneuve indicou que há 115 mil elementos das forças policiais e militares mobilizados em toda a França.

Na segunda-feira, as autoridades francesas realizaram 23 detenções e apreenderam 31 armas, incluindo um lança-foguetes, em rusgas feitas em diversos pontos do país.

Durante a última noite, a aviação francesa voltou também a bombardear o principal reduto do Estado Islâmico na Síria, em Raqa.

O Presidente francês François Hollande anunciou que a resposta de França seria "implacável" após os atentados de sexta-feira, os mais sangrentos cometidos em território francês, em que morreram 129 pessoas.

Os atentados de Paris foram reivindicados pelo grupo extremista que se autodesigna Estado Islâmico.

EM ATUALIZAÇÃO/Com Lusa

  • Polícia pode ter evitado seis novos atentados em França
    3:20

    Ataques em Paris

    As autoridades francesas dizem ter evitado seis potenciais atentados nas últimas 36 horas. Esta terça-feira, a segurança vai ser novamente reforçada: mais 10 mil homens das Forças Armadas vão juntar-se aos 2500 elementos das forças policiais que patrulham as ruas de Paris desde os ataques de sexta-feira. Esta segunda-feira, um dos símbolos máximos do país vestiu-se de azul, branco e encarnado, em homenagem às vítimas. Um dos enviados da SIC à capital francesa, Rui Pedro Reis, conta como correu a primeira 2ª feira depois dos atentados.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.