sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Polícia francesa fez mais 128 rusgas durante a noite

A polícia francesa realizou 128 rusgas esta madrugada, no âmbito do estado de emergência decretado após os atentados de sexta-feira passada em Paris, anunciou o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Entretanto, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, voltou a alertar a possibilidade de novos ataques.

© Benoit Tessier / Reuters

Em entrevista à rádio France Info, o primeiro-ministro disse hoje que as autoridades estão ainda a tentar descobrir como os terroristas agiram na sexta-feira e qual a logística real dos ataques. "Estamos focados na investigação, ainda não sabemos quantas pessoas estiveram envolvidas e o que aconteceu exatamente no Stade de France [onde três bombistas suicidas se fizeram explodir nas imediações]", disse Manuel Valls.

"Temos que viver com esta ameaça por muito tempo, enfrentamos terroristas determinados a morrer. Temos que perceber que podemos ser atacados novamente", acrescentou Valls.

Também em entrevista France Info, o ministro do Interior Bernard Cazeneuve indicou que há 115 mil elementos das forças policiais e militares mobilizados em toda a França.

Na segunda-feira, as autoridades francesas realizaram 23 detenções e apreenderam 31 armas, incluindo um lança-foguetes, em rusgas feitas em diversos pontos do país.

Durante a última noite, a aviação francesa voltou também a bombardear o principal reduto do Estado Islâmico na Síria, em Raqa.

O Presidente francês François Hollande anunciou que a resposta de França seria "implacável" após os atentados de sexta-feira, os mais sangrentos cometidos em território francês, em que morreram 129 pessoas.

Os atentados de Paris foram reivindicados pelo grupo extremista que se autodesigna Estado Islâmico.

EM ATUALIZAÇÃO/Com Lusa

  • Polícia pode ter evitado seis novos atentados em França
    3:20

    Ataques em Paris

    As autoridades francesas dizem ter evitado seis potenciais atentados nas últimas 36 horas. Esta terça-feira, a segurança vai ser novamente reforçada: mais 10 mil homens das Forças Armadas vão juntar-se aos 2500 elementos das forças policiais que patrulham as ruas de Paris desde os ataques de sexta-feira. Esta segunda-feira, um dos símbolos máximos do país vestiu-se de azul, branco e encarnado, em homenagem às vítimas. Um dos enviados da SIC à capital francesa, Rui Pedro Reis, conta como correu a primeira 2ª feira depois dos atentados.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.