sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Testemunhos nas redes sociais do que fica após os atentados

Testemunhos nas redes sociais do que fica após os atentados

Um homem que perdeu a mulher no atentado ao Bataclan escreveu uma carta dura e fria aos terroristas. São vários os testemunhos do que fica depois dos ataques. Através das redes sociai, uma outra história. A de uma mulher grávida que foi salva por um anónimo, também na sala de espetáculos e a tentativa dos dois se reencontrarem.

  • Polícia francesa fez mais 128 rusgas durante a noite

    Ataques em Paris

    A polícia francesa realizou 128 rusgas esta madrugada, no âmbito do estado de emergência decretado após os atentados de sexta-feira passada em Paris, anunciou o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Entretanto, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, voltou a alertar a possibilidade de novos ataques.

  • Polícia pode ter evitado seis novos atentados em França
    3:20

    Ataques em Paris

    As autoridades francesas dizem ter evitado seis potenciais atentados nas últimas 36 horas. Esta terça-feira, a segurança vai ser novamente reforçada: mais 10 mil homens das Forças Armadas vão juntar-se aos 2500 elementos das forças policiais que patrulham as ruas de Paris desde os ataques de sexta-feira. Esta segunda-feira, um dos símbolos máximos do país vestiu-se de azul, branco e encarnado, em homenagem às vítimas. Um dos enviados da SIC à capital francesa, Rui Pedro Reis, conta como correu a primeira 2ª feira depois dos atentados.

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.