sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Cão-polícia morto pelos terroristas na operação em Saint-Denis

Uma cadela ao serviço das forças policiais francesas foi morta hoje durante a operação antiterrorista em Saint Denis, a norte de Paris, informou a polícia.

© Philippe Wojazer / Reuters

Na rede social Twitter, as autoridades policiais francesas informaram que a cadela Diesel, um pastor belga de sete anos, que integrava a unidade antiterrorista, foi morta pelos terroristas durante a operação.

"Os cães de assalto e especializados na deteção de explosivos são vitais nas operações da RAID [a unidade antiterrorista das forças policiais francesas que liderou a operação em Saint Denis]", escreveu a polícia francesa na sua conta no Twitter.

Após o anúncio da polícia, várias dezenas de internautas começaram a prestar homenagem a Diesel com a utilização da etiqueta (hashtag) #JeSuisChien (Eu sou um cão). Esta homenagem tornou-se entretanto viral.

Segundo a procuradoria de Paris, pelo menos dois suspeitos morreram durante esta operação, um deles uma mulher que acionou um cinto de explosivos, e sete pessoas foram detidas.

Vários elementos das forças policiais sofreram ferimentos.

A operação antiterrorista visava deter Abdelhamid Abaaoud, considerado o "cérebro" dos atentados de sexta-feira em Paris, que fizeram pelo menos 129 mortos e centenas de feridos.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41