sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

PSD solicita audição do ministro da Defesa no Parlamento

O PSD anunciou hoje que irá requerer com caráter de urgência uma audição parlamentar com o ministro da Defesa, após França ter ativado a cláusula europeia de defesa comum na sequência dos ataques de Paris.

(Arquivo)

(Arquivo)

Este requerimento dirigido à Comissão Parlamentar de Defesa e ao ministro José Pedro Aguiar-Branco foi anunciado pelo deputado social-democrata Sérgio Azevedo, em plenário, momentos antes de a Assembleia da República ter feito um minuto de silêncio e aprovado por unanimidade um voto de pesar e de condenação pelos atentados de sexta-feira em Paris.

Na sua intervenção, Sérgio Azevedo referiu que o Governo francês, na sequência dos ataques em Paris, decidiu ativar o artigo 42 do Tratado de Lisboa da União Europeia, referente a defesa comum entre os Estados-membros.

"Estamos perante um ataque aos nossos valores e o combate ao terrorismo tem de ser enfrentado sem tréguas. A fragilidade da Política Europeia de Segurança Comum é uma realidade e temos de passar das palavras aos atos em termos de resposta", defendeu o deputado do PSD.

O Ministério da Defesa disse à Lusa que Aguiar-Branco "está disponível para ir à Comissão quando os deputados entenderem, como sempre esteve".

O presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos César, salientou "o respeito pela dor e a solidariedade para com todos os ofendidos pelos atos miseráveis de terrorismo praticados na sexta-feira em Paris".

"O PS associa-se na indignação perante atos intoleráveis e assume o compromisso pelo combate pela civilização, pela humanidade, pela inclusão e pela alegria que a cidade de Paris tão bem transmite", declarou o presidente dos socialistas.

Já o líder da bancada do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, advertiu que não se pode responder "ao ódio com cólera" e condenou os "bombardeamentos de retaliação" contra forças do Estado islâmico na Síria e Iraque.

"As bombas só criam um mundo mais instável. Não podemos deixar que o ódio impere face aos valores da liberdade, da solidariedade, da igualdade e fraternidade", disse, antes da dirigente de "Os Verdes" Heloísa Apolónia ter considerado que os atentados "atingiram os valores supremos da tolerância e do respeito pela diferença".

No entanto, tal como faria o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, Heloísa Apolónia insurgiu-se contra "uma resposta que represente uma escalada de ódio e de agressão".

"Assim, isto não para", advertiu a deputada ecologista.

Na mesma linha do PCP, Bloco de Esquerda e "Os Verdes", o deputado do PAN (Pessoas Animais e Natureza) André Silva enquadrou os atentados de sexta-feira numa linha de "ignorância".

No entanto, logo a seguir procurou identificar as causas primeiras da violência em várias cidades europeias por parte de grupos radicais islâmicos, sugerindo que os países mais ricos do ocidente deveriam interrogar-se sobre as consequências das suas "práticas depredadoras" e próprias de "um neocolonialismo" ao nível do comércio internacional.

"Mais do que respostas bélicas é preciso mudar as nossas atuais respostas económicas, sociais e ecológicas", sustentou o deputado do PAN.

Numa linha contrária a este tipo de interpretação sobre a segurança dos países ocidentais, o deputado do CDS-PP Telmo Correia advogou a ausência de qualquer contradição "entre a defesa da liberdade individual e o reforço da segurança".

"É preciso dar combate firme ao terrorismo. A França fez uma declaração de guerra e vive me estado de emergência. Fê-lo por necessidade absoluta. Este momento é de emoção, mas também tem de ser de determinação", afirmou o dirigente centrista.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.