sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Papa pede que portas das igrejas estejam abertas, apesar de ameaça à segurança

O Papa Francisco afirmou hoje que as portas das igrejas católicas de todo o mundo devem permanecer abertas, apesar das crescentes ameaças à segurança, na sequência dos atentados de sexta-feira, em Paris.

© Max Rossi / Reuters

"Por favor, nada de portas blindadas na Igreja, tudo aberto", disse Francisco, de 78 anos, aos peregrinos.

"Há lugares no mundo em que as portas não devem ser fechadas à chave. Ainda há alguns, mas também em muitos as portas blindadas tornaram-se na norma", acrescentou.

O Papa não se referiu explicitamente aos atentados terroristas de sexta-feira em Paris, nos quais morreram 129 pessoas e mais de 300 ficaram feridas.

As declarações de Francisco surgem num contexto de intenso debate em Itália sobre a segurança do Vaticano e de Roma, vistos como potenciais alvos dos militantes islamitas.

"A Igreja foi encorajada a abrir as suas portas nestes tempos difíceis", sublinhou, numa alusão às pessoas à margem da instituição e aos milhares de migrantes que chegam à Europa e que o papa pediu para serem recebidos pelas paróquias europeias.

As autoridades italianas anunciaram este semana o encerramento do espaço aéreo de Roma a 'drones' (aparelhos aéreos não tripulados) durante as cerimónias do início do ano do jubileu, a 08 de dezembro, e para as quais são esperados milhões de peregrinos.

A segurança foi também reforçada em aeroportos e estações de caminhos-de-ferro, tendo sido destacadas mais 700 tropas nos espaços públicos de Roma.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32