sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

EUA dão recompensa para informações sobre cérebro dos ataques de Paris

Os Estados Unidos oferecem uma recompensa de cinco milhões de dólares por qualquer informação que conduza à captura ou à localização do alegado cérebro do atentado de Paris, Abu Muhammad al-Shimali, indicou esta quarta-feira o Departamento de Estado.

Daniel Ochoa de Olza / AP

O governo dos Estados Unidos responsabiliza um homem conhecido como Tirad al-Jarba de ter também organizado deslocações de cidadãos da Austrália, da Europa e do Médio Oriente para integrarem as fileiras do Daesh.

A decisão dos Estados Unidos ocorre após os atentados da passada sexta-feira em Paris, que fizeram 129 mortos e 300 feridos.

O Departamento de Estado considera o homem em causa como o "líder chave", membro da Comissão de Imigração e Logística do Daesh e que se ocupava de manter em funcionamento linhas de recrutamento em vários pontos do mundo.

Segundo a mesma nota, Al-Shimali usava pontos da fronteira entre a Turquia e a Síria perto de zonas controlados pelos extremistas islâmicos para fazer passar os cidadãos.

De acordo com os Estados Unidos, Al-Shimali e outros membros da Comissão de Imigração e Logística encarregados também das atividades de contrabando do grupo terrorista, assim como as transferências financeiras e o envio de mantimentos para a Síria e para o Iraque, onde os terroristas proclamaram um califado em 2014.

Além de recrutar novos terroristas, Al-Shimali encarregava-se igualmente de dirigir centros de treino na zona de Azaz, na fronteira entre a província síria de Alepo e a Turquia.

Na página da internet do Departamento de Estado em que é publicada a lista de recompensas oferecidas para a captura de fugitivos aparece uma fotografia de Al-Shimali.

Ao lado da imagem, é divulgado o número de um passaporte de Al-Shimali, que caducou no dia 02 de junho de 2008 e que refere que nasceu no Iraque a 20 de novembro de 1979 e que tem nacionalidade saudita.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.