sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Parlamento francês aprova prolongamento do estado de emergência

O Senado francês aprovou hoje quase por unanimidade o projeto de lei que reforça e prolonga, por um período de três meses, o estado de emergência no país, votação que confirma a adoção definitiva do diploma.

© Jacky Naegelen / Reuters

O estado de emergência foi decretado pelas autoridades francesas após os ataques da passada sexta-feira em Paris, que fizeram 130 mortos.

Com 348 senadores presentes na câmara alta do Parlamento francês (Senado), o projeto de lei contou com 336 votos a favor e 12 abstenções.

Na quinta-feira, o texto tinha sido aprovado pela Assembleia Nacional (câmara baixa), com 551 votos a favor, seis contra e uma abstenção.

O diploma propõe um prolongamento por um período de três meses do estado de emergência, a partir de 26 de novembro.

O texto também alarga a margem de manobra das forças de segurança ao nível das detenções domiciliárias, do prolongamento da detenção preventiva relacionada com ameaças de terrorismo e em matéria de buscas. Permite igualmente a dissolução de grupos ou associações ligadas a mesquitas ou locais de orações classificados como radicais.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou no sábado, em comunicado, os atentados de 13 de novembro na capital francesa. Entre os mortos, foram identificadas duas vítimas portuguesas. Cerca de 350 pessoas ficaram feridas nos ataques.

Os ataques, perpetrados por pelo menos oito terroristas, sete dos quais morreram, ocorreram em vários locais de Paris, entre eles uma sala de espetáculos e o Estádio de França, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções da casa e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país".

Entretanto, numa operação policial no bairro de Saint Denis, a norte de Paris, as autoridades abateram quarta-feira o alegado "cérebro" dos ataques, Abdelhamid Abaaoud.

Lusa

  • Défice cai 1.900 milhões até agosto

    Economia

    O défice das administrações públicas foi de 2.034 milhões de euros até agosto, uma "melhoria de 1.901 milhões" face ao mesmo período de 2016, segundo o Governo, que justifica com aumento superior a 4% da receita.

  • Coreia do Norte acusa Trump de declarar guerra

    Mundo

    A Coreia do Norte acusou hoje o Presidente norte-americano de ter "declarado a guerra". O chefe da diplomacia norte-coreana ameaçou abater todo e qualquer bombardeiro dos EUA que se aproxime do território.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.

  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • "Bispo vermelho"

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Criar galinhas na cozinha, guerras no fogão, e drones dentro de casa
    7:28
  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.