sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Porta-aviões francês a postos para novos ataques ao Daesh

O ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que a aviação francesa vai estar pronta para novos ataques aéreos a posições do autodenominado Estado Islâmico (EI), Daesh, a partir de segunda-feira, adiantou a France Presse.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Os ataques serão lançados a partir do porta-aviões francês Charles de Gaulle, que tomou posição no Mediterrâneo este fim-de-semana.

"Os aviões estarão operacionais a partir de amanhã [segunda-feira]", disse Le Drian em entrevista à rádio Europe 1, nove dias após os ataques terroristas de Paris que mataram 130 pessoas.

As forças francesas vão ter na região 26 caças no porta-aviões (18 Rafale e oito Super Etendard), para além dos 12 que já estão estacionados na região: seis Rafale nos Emirados Árabes Unidos e seis Mirage 2000 na Jordânia.

Le Drian sublinhou que a luta contra o autoproclamado EI é, à vez, "uma guerra sombra e uma guerra do campo de batalha", em que é preciso combater "um Estado" organizado, instalado numa parte do Iraque e da Síria, e um "movimento terrorista internacional que tem por objetivo atacar o mundo ocidental".

O responsável pela pasta da Defesa defendeu que não só é preciso atacar Mossul, no Iraque, "onde se encontra o centro de decisão política do EI", como Raqa, na Síria, onde estão "os campos de treino dos 'foreign fighters', ou seja, os combatentes destinados a atuar no estrangeiro".

O ministro francês disse que um possível ataque químico ou biológico "estava entre os riscos", mas garantiu que todas as precauções para o evitar foram tomadas.

Le Drian afirmou que as autoridades francesas não excluíram nenhuma possibilidade na sequência dos ataques em Paris, ainda que fosse "muito complicado" alguém usar armas químicas.

O responsável pela pasta da Defesa do Governo gaulês afirmou ainda, na mesma entrevista, que os lados em conflito na Líbia têm de chegar a acordo para criar um novo Governo de unidade que permita travar os avanços do grupo EI.

"Tem de haver um acordo entre as duas fações rivais, senão é o Daesh (EI) que vai ganhar", disse o ministro à radio Europe 1.

Le Drian disse que "é urgente" um acordo, uma vez que o Daesh (EI) "está a conquistar território a partir de Sirte, [cidade costeira no norte da Líbia] e procurando seguir para sul em direção aos campos de petróleo".

Lusa

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38