sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em França levam Polónia a reforçar controlo fronteiriço

O ministro do Interior da Polónia, Mariusz Blaszczak, anunciou hoje que o país vai reforçar os controlos das fronteiras exteriores do espaço Schengen (de livre circulação) "para garantir a segurança dos seus cidadãos".

© Kacper Pempel / Reuters

"Queremos voltar a ter guardas fronteiriços nos pontos onde a sua presença deixou de existir nos últimos anos", disse hoje o ministro numa entrevista à rádio pública polaca.

O governante sublinhou que os controlos podem visar qualquer viajante que pretenda entrar no espaço Schengen através das fronteiras polacas, o que inclui tanto os cidadãos extracomunitários como os nacionais de países da União Europeia.

O ministro polaco não esclareceu se a medida, adotada após os atentados 'jihadistas' de Paris, será transitória ou permanente.

O anúncio tem lugar depois de, na passada sexta-feira, os ministros da Justiça e do Interior da União Europeia terem mostrado a sua vontade de reforçar os controlos das fronteiras exteriores para reforçar a segurança interna.

"Garantir a segurança dos polacos é de suma importância", assinalou Blaszczak, que tomou posse a semana passada, tal como o resto do governo, liderado pelo partido nacionalista conservador Lei e Justiça.

Blaszczak, que classificou de "errada" a decisão do anterior governo de acolher 7.000 refugiados, no âmbito das quotas definidas por Bruxelas, acrescentou que Varsóvia não vai ceder "a ideologias do politicamente correto".

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.