sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Salah Abdeslam viajou por Itália em agosto com um companheiro

O único suspeito dos atentados de Paris que ainda continua em fuga, o belga Salah Abdeslam, viajou por Itália em agosto com um companheiro, confirmam as autoridades italianas.

"Apelo a testemunhas", lê-se na nota, que identifica "Abdeslam Salah, nascido a 15 de setembro de 1989, em Bruxelas, e alvo de um mandado de busca".

"Apelo a testemunhas", lê-se na nota, que identifica "Abdeslam Salah, nascido a 15 de setembro de 1989, em Bruxelas, e alvo de um mandado de busca".

A revelação foi feita hoje por uma fonte da investigação que adianta que na altura o belga Salah Abdeslam não levantou suspeita porque não estava referenciado pelas autoridades.

A 1 de agosto, Abdeslam viajou de Bari, no sudeste de Itália, para Patras, no sul da Grécia e quatro dias depois fez o percurso inverso.

Numa investigação separada, os procuradores de Bari estão agora a tentar apurar quantos militantes islâmicos passaram pelo porto entre fevereiro e agosto deste ano, com destino à Grécia.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.