sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Bélgica continua em alerta máximo contra o terrorismo

Bélgica continua em alerta máximo contra o terrorismo

O Governo belga mobilizou mais 500 polícias para assegurar a proteção dos locais públicos que reabrem esta quarta-feira, após quatro dias de alerta máximo em Bruxelas. O impacto das medidas de segurança na economia estão já a fazer-se sentir.

  • Detidas mais cinco pessoas em Bruxelas
    2:39

    Ataques em Paris

    Bruxelas acordou para o terceiro dia consecutivo em alerta máximo. Na capital da Bélgica vive-se um cenário de guerra. Durante a noite foram feitas 19 operações policiais das quais resultaram 16 detenções mas o suspeito mais procurado, Salah Abdeslam, continua a monte. Já esta manhã foram detidas mais cinco pessoas.

  • Bruxelas continua a meio gás mas há mais pessoas na rua
    2:05

    Mundo

    A capital da Bélgica continua em alerta máximo de terrorismo. Apesar de muitos serviços e transportes ainda estarem encerrados em Bruxelas, a população já saiu mais à rua hoje e parece mais tranquila, como constatou a correspondente da SIC, Susana Frexes.

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.