sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Setor ferroviário estuda medidas adicionais de segurança por causa do terrorismo

O setor ferroviário está a testar medidas de segurança adicionais nos comboios, face às ameaças terroristas globais, mas não há soluções globais, disse hoje o diretor-geral da União Internacional dos Caminhos de Ferro (UIC).

Jean-Pierre Loubinoux, que falava em Paris numa conferência de imprensa, antes da assinatura do compromisso de responsabilidade climática que envolve 70 empresas do setor, admitiu que os atos terroristas constituem uma preocupação para a UIC, mas manifestou dúvidas quanto às soluções mais eficazes.

"Por exemplo, os russos, depois de rebentar uma bomba na gare de Moscovo puseram pórticos para reforçar o controlo, mas sabemos que o caminho-de-ferro tem centenas de milhares de quilómetros. É um modo de transporte aberto, não podemos controlar uma ponte, passagens de nível, estações, é impossível", assinalou.

Adiantou ainda que o controlo de acessos nos transportes urbanos é feito de maneira muito diferente nas várias cidades. Em Paris, por exemplo, o acesso é controlado, mas em Berlim, não há qualquer controlo.

"Qual é mais seguro, não sei", frisou, salientando igualmente que é preciso distinguir entre a perceção de segurança e a segurança: "podemos melhorar a perceção de segurança para que as pessoas tenham menos medo, mas não tenho a certeza de que se melhore completamente a segurança".

O presidente da CP, uma das entidades que assina hoje este protocolo, deu como exemplo destas preocupações a vigilância visível e não visível das ações policiais que tiveram lugar no comboio Sud Express que partiu de Lisboa no dia 27 de novembro em direção a Paris, integrado na iniciativa Train to Paris.

Manuel Queiró salientou, por outro lado, que a CP tem registado uma melhoria dos seus indicadores de segurança nos últimos tempos, congratulando-se com os resultados.

Lusa

  • "Já só lhes resta uma coisa: bisbilhotar comunicações privadas"
    2:57

    Caso CGD

    O primeiro-ministro diz que o PSD atingiu o grau zero da política, quando chegou à "bisbilhotice" de querer ver as mensagens trocadas entre o ministro das Finanças e António Domingues. A polémica da Caixa Geral de Depósitos voltou a marcar o debate quinzenal, com António Costa a garantir que nunca esteve em causa a entrega de declarações da administração. Já o PSD e o CDS a acusaram o Governo de violar as regras da transparência e de oprimir os direitos da oposição.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • Técnica de defesa contra aperto de mão de Donald Trump
    1:39
  • Vídeo mostra aterragem de Harrison Ford que quase causou um desastre

    Mundo

    Harrison Ford quase provocou um grave acidente quando, ao pilotar um dos seus aviões, falhou a pista de aterragem e esteve muito perto de chocar contra um um Boeing 737, com mais de 100 pessoas a bordo. O incidente com o ator norte-americano, considerado um piloto experiente, aconteceu na passada segunda-feira, dia 13, no Condado de Orange, na Califórnia, e o momento foi captado em vídeo.

  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.

  • Vestidos da princesa Diana em exposição
    1:29

    Mundo

    As roupas mais emblemáticas da princesa Diana vão estar em exposição no Palácio de Kensington, em Londres, a partir de sexta-feira. O objetivo é mostrar a evolução do estilo da princesa de Gales, considerada um dos maiores ícones de moda de sempre.