sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Bataclan pode reabrir em 2016

O Bataclan, a sala de espetáculos de Paris onde 90 pessoas foram mortas por "jihadistas" a 13 de novembro, poderá reabrir no final do próximo ano, disseram hoje dois dos seus proprietários a um jornal francês.

© Charles Platiau / Reuters

Olivier Poubelle e Jules Frutos, que agendam os concertos e detêm um terço do teatro, bem como de vários outros espaços musicais na capital francesa, falaram ao Le Monde de como ficaram devastados pelos atentados.

"Dois dos nossos colegas morreram, tal como profissionais da música que conhecíamos bem. Outros estão gravemente feridos. Eu não estava no teatro e estou sempre a pensar nisso", disse Poubelle.

"Um socorrista disse-me 'Você não é responsável', mas mesmo assim...", acrescentou.

Poubelle acorreu de imediato ao local na noite dos atentados, enquanto estava ainda em curso o cerco de três horas e as pessoas no interior do teatro estavam a ser abatidas a tiro.

"Havia mortos e feridos por todo o lado, a polícia queria saber como era a disposição da sala e o que iria encontrar atrás da porta, como chegar ao piso de cima o mais rapidamente possível", descreveu.

Os dois colegas que morreram -- um técnico de luz e um assessor de imprensa -- trabalhavam noutro sítio e estavam ali em lazer, a assistir ao concerto da banda de rock norte-americana Eagles of Death Metal.

Nenhum dos cerca de funcionários que estavam de serviço naquela noite morreu, embora Poubelle tenha dito ao Le Monde que vários "estiveram a 10 centímetros da morte".

Três empregados do bar esconderam-se numa arrecadação e "dois seguranças da entrada salvaram vidas", sublinhou o sócio do Bataclan ao jornal.

"Eles perceberam o que se passava quando ouviram tiros no bar. E não fugiram, entraram, abriram as saídas de emergência e gritaram às pessoas para saírem", relatou.

Segundo Poubelle, as equipas de funcionários dos cinco espaços que os dois sócios possuem têm-se mantido unidas desde os atentados, tentando oferecer uns aos outros apoio e solidariedade.

"Quando vi as fotos das vítimas, houve muitas que reconheci -- Posso nunca ter falado com elas, mas já as tinha visto na sala de concertos ou no bar. É uma sensação horrível", disse Jules Frutos.

"A única coisa que há a dizer é que havia uma 'joie de vivre' que foi assassinada", comentou.

Os dois sócios descreveram a zona -- o 11.º bairro, no leste de Paris -- como uma das mais multiétnicas e de esquerda de França, mas criticaram as tentativas de rotular ou politizar os ataques.

"Eles só queriam matar tantas pessoas quanto possível", observou Poubelle.

Nenhum dos dois voltou a entrar no Bataclan desde 13 de novembro, mas continuam a passar lá em frente todos os dias para ver as multidões e as muitas homenagens.

Estão ansiosos porque a música regresse, defendendo que a sala de concertos "não deve tornar-se um mausoléu ou um local de peregrinação".

"A equipa quer uma reconstrução, os artistas também. Falamos muito sobre isso, mas será um longo caminho", disse Frutos ao diário francês.

"Estamos mortos por agora, mas precisamos de vida. É vital que as portas se reabram", frisou.

Os Eagles of Death Metal já disseram que querem dar o primeiro concerto se o Bataclan reabrir.

Lusa

  • Obama desloca-se ao Bataclan em homenagem às vítimas
    1:27

    Ataques em Paris

    Barack Obama prestou, esta noite, homenagem às vítimas dos ataques de Paris com uma deslocação ao Bataclan. O líder americano juntou-se a François Hollande assim que chegou à capital francesa, onde se encontra para participar na Cimeira do Clima. Foi com um evidente dispositivo de segurança nas ruas que decorreu a homenagem.

  • Hollande e Cameron visitam Bataclan

    Ataques em Paris

    O Presidente francês, François Hollande, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, visitaram hoje de manhã ao Bataclan, a sala de espetáculos parisiense, alvo dos atentados terroristas de 13 de novembro, que fizeram 130 mortos.

  • SIC encontrou antigo dono do Bataclan em Israel
    7:22

    Ataques em Paris

    Em Israel, os bombardeamentos sobre o Daesh e os próprios atentados de Paris estão a ter grande eco e as principais empresas de segurança começam a pensar nos negócios com a Europa. A reportagem alargada do correspondente da SIC em Telavive mostra como os israelitas lidam com o problema do terrorismo mas o Henrique Cymerman descobriu também o antigo dono do Bataclan, um judeu que tinha deixado o negócio em Paris há muito pouco tempo, antes de voltar para Israel.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.