sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Nova operação policial na Bélgica relacionada com atentados de Paris

A polícia federal da Bélgica está a levar a cabo uma nova operação antiterrorista no distrito de Molenbeek no âmbito de uma investigação após os atentados de Paris de 13 de novembro, avançou o porta-voz da Procuradoria federal.

Operação em Molenbeek a 22 de novembro.

Operação em Molenbeek a 22 de novembro.

© Yves Herman / Reuters

Segundo a cadeia de televisão VRT, a operação estará a ser dirigida de forma a obter informações sobre o paradeiro do presumível terrorista Salah Abdeslam, procurado pela suposta ligação aos ataques de Paris, que fizeram pelo menos 130 mortos e 350 feridos.

No passado domingo foi realizada uma outra operação no mesmo distrito originada por uma informação, que viria a revelar-se falsa, que indicava que Abdeslam estaria escondido numa das casas da zona, mas que terminou sem quaisquer detidos.

A Bélgica continua um nível de alerta 3, numa escala de 4, por risco de atentados terroristas, pelo que continua com vigilância reforçada nas escolas e presença policial e militar nas ruas.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.