sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Condenado por telefonar à polícia a dizer que estava feliz com atentados em Paris

Um jovem de 22 anos foi condenado em França a dois anos de prisão efetiva por ter telefonado para a polícia e bombeiros, na noite dos atentados de Paris, a dizer que estava feliz por ver franceses a morrer. Classificou mesmo os atentados como "magníficos".

© Charles Platiau / Reuters

A defesa considera que a pena não é adequada e vai recorrer. O advogado diz que o jovem estaria alcoolizado, que já admitiu que errou e que está arrependido.


Cita ainda um relatório psiquiátrico que classifica o cliente como imaturo e complexado. Refere também que apesar dos pais serem um muçulmano e um judeu, ele não é praticante de qualquer religião, nem sequer radicalizado.

A justiça francesa já fez várias detenções depois dos atentados de 13 de novembro, em ações de prevenção do terrorismo.

Uma situação que tem motivado críticas, e até mesmo queixas-crime, sobretudo por parte da comunidade muçulmana. Acusam as autoridades de raides ilegais em casas, mesquitas, restaurantes e hotéis em nome do estado de emergência.

  • Jihadista com ligações aos atentados de Paris pode estar em Portugal
    2:10

    Daesh

    A Interpol emitiu um alerta para Portugal e Espanha, por causa da possível presença de três jihadistas franceses na Península Ibérica. São considerados altamente perigosos.A notícia é avançada hoje pelo Jornal de Notícias, que refere que um dos três homens terá estado envolvido nos atentados de Paris. O Ministério da Administração Interna, contactado pela SIC, não faz para já comentários à notícia e remete explicações para mais tarde.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.